Moto da família foi arrastada por cerca de 100 metros, na RO-490 (Foto: 190 Oline/ Divulgação)
Vinte e quatro horas depois de atender a ocorrência em que três pessoas da mesma família morreram por causa de um racha entre dois carros, o policial militar Adílio Alves Canaza diz estar “chocado” com a cena do acidente na RO-490, em Alto Alegre dos Parecis (RO). Segundo testemunhas, pai, esposa e duas filhas voltavam de uma celebração, em uma única moto, quando foram atingidos por um veículo em alta velocidade, na noite de domingo (8).   A criança mais nova que estava na moto, de 4 anos, ficou ferida e segue internada.

“Foi uma cena bastante chocante e triste de se ver. Saber que naquele momento praticamente toda uma geração se acabava em um ato irresponsável”, lembra o militar.

Conforme o policial, a família voltava para casa depois de participar de uma celebração. Quando se aproximava do sítio onde morava, a moto foi atingida por um carro que seguia em alta velocidade.

Com o impacto, os ocupantes da motocicleta foram arremessados contra o chão. Antes de parar, o veículo arrastou à motocicleta por quase cem metros.

De acordo com policial militar Adílio Alves Canaza, a moto era ocupada por quatro pessoas, sendo o condutor de 41 anos, que morreu ao dar entrada ao Hospital Municipal de Rolim de Moura (RO), e esposa dele, de 31, que morreu no local junto com a filha de 12 anos. Apenas a filha mais nova do casal, de 4 anos, sobreviveu e está fora de perigo, segundo informações do hospital.

Por causa da batida, veículo ficou com a frente destruída (Foto: 190 Oline/ divulgação)
Após colidir com a moto, o condutor do automóvel, de 21 anos, fugiu deixando o carro e os documentos pessoais no local. “Segundo testemunhas, ele estava praticando direção perigosa, participando de ‘racha’, junto com outro veículo, que lhe deu carona para fugir do local após o acidente”, revela.

Canaza disse também que testemunhas relataram que o condutor do veículo passou o dia ingerindo bebidas alcoólicas em um posto de combustível da cidade, junto com alguns amigos que também estavam de carro.
“Ficamos sabendo que ele já tinha se envolvido em outro acidente, mas sem vítimas, apenas danos materiais.

Até levamos para delegacia a fim de prestar esclarecimentos um outro rapaz apontado por testemunhas como sendo o motorista do carro que participava do racha, mas ele negou e disse que estava atrás do veículo que se envolveu no acidente. Infelizmente não temos como provar se ele realmente estava praticando direção perigosa”, explica.

A Polícia Civil investiga o caso, porém o condutor do carro ainda não havia sido localizado até a publicação da reportagem.
.