Cerca de 430 famílias deverão ser retiradas de uma área às margens do rio Amazonas, no bairro Pedrinhas, na  Zona Sul de Macapá. A saída dará cumprimento a uma decisão da Justiça que atendeu o pedido de reintegração de posse feito pelo governo do Amapá. O terreno foi invadido há seis anos e tinha previsão de comportar parte do complexo turístico da orla da capital.

As famílias do local foram notificadas. O governo do estado informou que deu opção aos moradores de apartamentos na segunda etapa do conjunto habitacional Macapaba, previsto para ser inaugurado no segundo semestre de 2016.

Apesar de ainda não existir data para a sentença ser cumprida, moradores afetados resistem em sair do local.
“Muitas [pessoas] não estão concordando porque dizem que Macapaba é uma coisa, mas quando chegamos lá é outra.

Então muitos moradores que estão aqui não terão condições de pagar todas as taxas necessárias no conjunto”, comentou o autônomo Cleodivan Monteiro. Mais de 400 famílias vivem em terreno requerido pelo governo (Foto: Reprodução/Rede Amazônica no Amapá)
Para a costureira Raimunda Cardoso, a mudança para um apartamento prejudicará a renda que tem para sustentar a família.

“Não terei como entrar no apartamento com as minhas coisas porque não dá nem a metade do que eu tenho na minhas costura. Eles querem dar um apartamento e minha família é grande, com sete pessoas”, disse.

Segundo o governo do Amapá, estão previstos para o terreno um muro de arrimo, parque, construção do Museu Amazônico, escola e duplicação da Avenida Equatorial.
“É uma sentença judicial e temos que cumprir.

Foi uma ação muito simples de reintegração de posse e tramita muito rápido (. .

. ) Temos que apresentar daqui a seis meses todo o projeto de urbanização da área e aproveitamento técnico”, reforçou o secretário de Cidades, Alcir Matos.

.