Luiz Gonzaga Barros é suspeito de participar de umesquema criminoso (Foto:/O Estado/Arquivo)Depois de ser detido durante operação “Operação Vínculos”, que investiga a ocorrência de fraudes na previdência, o Superintendente de Articulação Regional Luiz Gonzaga Barros (PCdoB), que atuava no município de São Bento, foi exonerado do cargo. Segundo a Secretaria de Estado de Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), o afastamento de Luiz Gonzaga não caracteriza pré-julgamento, mas sim uma ‘medida necessária em face da prisão e investigações em curso’. Luiz Gonzaga Barros, o Luizinho (PCdoB), era pré-candidato a prefeito do município e é suspeito de participar de um esquema criminoso que favorecia o recebimento de benefícios de pensão fraudulentos.

O desvio contava com a participação de contadores, de um advogado especializado em causas previdenciárias, um ex-funcionário do cartório de Palmeirândia, um servidor do INSS e intermediários, também indiciados. Veja íntegra da nota da Secap abaixo:A Secretaria de Estado de Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap) comunica a exoneração do então Superintendente de Articulação Regional que atuava no município de São Bento, Luiz Gonzaga Barros, detido nesta terça-feira, 19, pela Polícia Federal, no âmbito da “Operação Vínculos”, que investiga a ocorrência de fraudes na previdência.

O afastamento não caracteriza pré-julgamento, mas é medida necessária em face da prisão e investigações em curso. Entenda o casoA Polícia Federal (PF) cumpriu na manhã desta terça-feira (19) 32 mandados judiciais, sendo nove de prisão temporária, 19 de busca e apreensão e 4 de condução coercitiva, numa operação que desmontou uma quadrilha que praticava crimes previdenciários no Maranhão.

A Operação Vínculos ocorreu nas cidades de São Luís, São Bento, Palmeirândia, Pinheiro e Turilândia, e contou com uma força-tarefa formada pela PF, Ministério do Trabalho e Previdência Social (MPS) e Ministério Público Federal (MPF). O prejuízo identificado é de quase R$ 1,5 milhão.

Entre os mandados, está a determinação para que o INSS suspenda o pagamento de 11 benefícios de pensão por morte e afastamento do servidor. PF desmonta esquema de fraudes previdenciárias no Maranhão (Foto: Divulgação/PF)
.