Grupo preso por incêndio em ônibus responde por 9 crimes (Foto: Graziela Rezende/G1 MS)
O grupo suspeito de incendiar três ônibus em Campo Grande, na noite da última quinta-feira (14) e madrugada de sexta (15), responderá por nove crimes. Ao G1 o delegado Edilson dos Santos, titular da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras), ressaltou que 13 pessoas foram identificadas e a ação foi orquestrada por um detento do Estabelecimento Penal de Segurança Máxima.
“Nós prendemos sete pessoas e identificamos mais cinco adolescentes no crime.

Alguns foram presos em flagrante e os menores apreendidos. Ainda temos um envolvido foragido e uma outra pessoa que está sendo investigada.

São parentes e amigos de um preso, que entrou em contato pedindo retaliação, logo após um pente-fino no presídio”, explicou o delegado.
Durante a ação do Batalhão de Polícia de Choque (BpChoque), os policiais recolheram 71 aparelhos celulares, além de droga para consumo e comércio no local, chips e objetos ilícitos.

Ônibus ficou totalmente destruído por causa doincêndio (Foto: José Aparecido/ TV Morena)
Um dos detentos, de 19 anos, não gostou das abordagens e entrou em contato com os suspeitos para pedir que provocassem pânico e incendiassem os veículos, conforme a polícia.
Ele nega que tenha feito ligações, porém afirmou durante coletiva que “toda ação tem uma reação e que os militares teriam sido agressivos”.

“A investigação comprovou que se trata apenas de um grupo e não cinco ou seis como disseram que estavam agindo naquela madrugada. Os envolvidos residiam no São Conrado e se deslocaram para regiões próximas, como o Tijuca, Aero Rancho, para cometer os crimes”, comentou Santos.

Os envolvidos vão responder por furto, já que estavam com uma moto com registro na polícia, roubo, pelo fato de levarem aparelhos celulares das vítimas nos coletivos, associação criminosa, receptação dolosa, disparo de arma de fogo, dano qualificado, tráfico de drogas, incêndio doloso e também a tentativa de homicídio, já que atearam gasolina em um motorista e ameaçaram atear fogo. Delegados durante coletiva nesta terça (19)(Foto: Graziela Rezende/G1 MS)Continuidade das buscasO inquérito teve a parceria da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (Deaij), que fez a oitiva com os adolescentes.

Conforme a delegada Aline Gonçalves, titular da unidade policial, os envolvidos apontam a participação detalhada de cada um no crime. Já a delegada Ana Cláudia Medina, titular da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Deco), ficará com as investigações desde a conclusão deste último inquérito.

“Nós encerramos o flagrante e agora a Deco irá continuar com as investigações sobre esta organização criminosa. A intenção é descobrir até mesmo se eles tiveram a participação em outros casos semelhantes que ocorreram logo depois.

A princípio, trata-se de uma ação isolada”, finalizou o delegado.
.