Hissa disse ter votado a favor de impeachment por convicção (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)
De volta a Manaus após a sessão que definiu a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff, o presidente do Partido Democrático Trabalhista (PDT) no Amazonas, Hissa Abraão, disse não estar arrependido de votar a favor do impedimento no último domingo (17). Contrariando a decisão do partido pelo qual pretende disputar a eleição majoritária na capital, o deputado afirma ter seguido suas convicções e que em momento algum esteve indeciso. Ele diz que vai tomar medidas jurídicas caso seja expulso do partido.

O parlamentar garante que a decisão sobre o voto do impeachment já havia sido tomada antes da filiação ao PDT. “Em janeiro de 2016, o diretório nacional [PDT] decidiu ir contra o impeachment, eu não estava na reunião, entrei no partido há 30 dias.

Mas fico cheio de orgulho por um partido que vai até o fim pelas suas convicções assim como eu fui [. .

. ] Eu não estava indeciso, só não podia revelar meu voto para a cidade nem para o partido porque eu iria provocar um movimento de dissidência, e outros deputados que estavam só querendo um para fazer esse movimento iam se sentir encorajados a nos seguir, e não me se senti no direito de puxar esse movimento exatamente porque estou chegando agora”.

O deputado diz não ter sido informado oficialmente da sua expulsão do PDT e garantiu que vai tentar manter a candidatura a prefeito pelo partido. “Se acontecer [a expulsão] vou procurar medidas jurídicas.

Se não conseguir concorrer não será o fim do mundo, eleição tem de dois em dois anos, tenho a vida toda pela frente. Essa é uma decisão só do PDT, tanto o nacional quanto o do Amazonas”.

PossibilidadesPara Abraão, caso o partido decida puni-lo, a preferência é deixar de ser candidato à prefeitura a sair do PDT. ” Caso não seja candidato vou me esforçar pelos vereadores e para eleger pelo menos quatro prefeitos de médias cidades”, concluiu.

.