Previsão é de chuva para o fim de semana em Macapá, diz Iepa (Foto: Abinoan Santiago/G1)
O Núcleo de Hidrometeorologia do  Instituto de Pesquisas do Amapá (Iepa) emitiu boletim com alerta para o acumulo de água que poderá ser causado pelas chuvas fortes previstas para o fim de semana em Macapá e no extremo Norte, ao longo da BR-156, entre Calçoene e Oiapoque. A expectativa é de até 100 milímetros de água, dependendo da localidade. Os dias que terão chuvas mais intensas serão domingo (24) e segunda-feira (25).

De acordo com o meteorologista Jefferson Vilhena, cada milímetro de chuva equivale a um litro de água por metro quadrado. Ele frisou que o acumulo previsto para o fim de semana não reflete em inundações por causa da maré estar em nível normal.

Em alguns pontos, água pode chegar a ficar em100 milímetros (Foto: Fabiana Figueiredo/G1)
“Em alguns locais poderemos chegar a 100 milímetros no domingo e na segunda-feira. A maré está normal, com a lua cheia a deixando em 3,2 metros.

A quantidade de chuva depende do local. Uma das preocupações é na estrada, que já teve parte levada por um enxurrada”, comentou o meteorologista.

A Defesa Civil informou que equipes estão de plantão para atender possíveis chamados. Entre quinta-feira (21) e esta sexta-feira (22) foram atendidas 12 famílias, em Macapá.

Nenhuma ficou desabrigada ou desalojada.
Segundo o boletim do Iepa, no domingo as “chuvas de intensidade alterando de moderada a forte deverão ocorrer em Itaubal, Mazagão, Santana e Macapá, com acumulados variando entre 20 e 50 milímetros, os máximos (de 35 a 50 mm) deverão ser observados principalmente entre os municípios de Oiapoque, Calçoene e Amapá (BR-156)”.

Na segunda-feira, a previsão é de mais chuva em relação ao dia anterior, “com acumulados variando entre 25 e 100 mm, os máximos (de 50 a 100 mm) deverão ser observados principalmente nos municípios de Oiapoque, Calçoene, Amapá, Cutias, Itaubal, Bailique e Foz do Araguari (de Gurijuba ao Sucuriju)”.
As temperaturas nesses dias prometem variar entre 24 e 30 graus, com ventos de 10 a 12 quilômetros por hora, umidade do ar de até 98% e pico de maré alta de 3,2 metros na região portuária de Santana.

.