Entidades avaliam que inadimplência tem sido agravada pela crise econômica (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)
A inadimplência do consumidor no comércio de Manaus encerrou o último mês de março com taxa de 3,9%. Houve aumento meio por cento no índice de inadimplência na capital em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados foram divulgados pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL Manaus) nesta terça-feira (12).

Segundo o presidente da CDL Manaus, Ralph Assayag, dos 71. 910 consumidores inadimplentes do comércio manauense 68.

610 deixaram a lista negativa em março. Entretanto, 3.

800 consumidores permaneceram no banco de dados dos inadimplentes no último mês. No mesmo período de 2015, o cadastro de inadimplência registrou 3.

651 endividados e taxa de 3,4%.
Em janeiro deste ano, o índice de inadimplência do consumidor no comércio local foi de 3,9%.

Já em fevereiro o indicador sofreu leve redução para 3,8% e voltou a subir em março para 3,9%.  
A alta da inadimplência do consumidor no Amazonas é atribuída ao cenário adverso à quitação das dívidas gerado pela crise econômica.

A inflação, os juros e o desemprego integram o conjunto de fatores que impactaram o pagamento das dívidas.
O presidente da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Ismael Bicharra, avaliou que as incertezas do atual cenário econômico é o principal fator do ciclo que provoca a inadimplência.

“Diversos fatores provocam a inadimplência até porque a economia é um ciclo. Se estiver negativo um ponto acaba afetando do processo.

O desemprego causa inadimplência do trabalhador e faz com que se venda menos. Vendendo menos causa inadimplência do empresário que arrecada menos, gerando a inadimplência com os fornecedores e financeiras acabam alavancando os juros no mercado e isso vai provoca mais inadimplência ainda”, explicou o presidente da ACA.

     
A Associação Comercial do Amazonas não tem mecanismos de verificação da inadimplência do consumidor e do setor empresarial. Entretanto, a situação relatada pelos empresários à instituição demonstra um cenário negativo.

“Conversamos com diversos empresários. Diversas empresas de segmentos diferentes comentam da alta na inadimplência.

Tem clientes que nunca atrasaram os pagamentos estão atrasando porque não tem como sanar os compromissos. O que estamos vivendo neste momento é uma situação extremamente difícil, como nunca vi na minha vida.

Você não consegue visualizar o dia de amanhã porque estamos com desemprego e inadimplência extremamente em alta. Muitos dizem que isso é por causa do impeachment e vai passar, mas acho que não será assim”, afirmou Bicharra.

Inadimplência no paísA inadimplência do consumidor cresceu 5,8% no primeiro trimestre deste ano no Brasil em relação ao mesmo período de 2015, segundo aponta pesquisa da Boa Vista SCPC. Em 12 meses, o índice acumula alta de  2,8%.

Já na comparação com março do ano passado, a inadimplência recuou 1,8%. Frente ao mês anterior, o indicador caiu 8,4%.

.