Faca e porção de drogas foram encontradas com o ex-aluno nesta segunda-feira (16) (Foto: Divulgação/PM)
Foi preso novamente nesta segunda-feira (16), o jovem de 20 anos que foi detido pela polícia dentro de uma sala de aula na noite de sexta-feira (13), em Macapá, por suspeita de ameaças e assédio contra professores e estudantes da Escola Estadual Sebastiana Lenir, na Zona Sul. Um vídeo do momento da prisão do ex-aluno ganhou repercussão ao ser compartilhado nas redes sociais. Ameaças aconteceram contra diretora da escolaSebastiana Lenir, em Macapá (Foto: Arquivo/G1)
Segundo a polícia, o jovem teria retornado à escola para ameçar a direção.

Ele teria sido expulso dias antes por mau comportamento e ameaças, mas se recusava a deixar o local.
Ao chegar na escola, a diretora da instituição informou que viu o suspeito rondando o local.

No momento, uma equipe do Policiamento Escolar do 1º Batalhão da PM (1º BPM) estava no Sebastiana em visita preventiva e foi atrás do jovem.
A tenente Vanessa Machado, comandante do Policiamento Escolar, informou que a equipe encontrou o suspeito com uma faca e porções de drogas dentro do cemitério São José, localizado nas proximidades da escola.

Ele estaria alterado e foi levado para a Delegacia de Crimes Contra a Mulher (DCCM).
“As rondas e as visitas preventivas às escolas são uma das atividades realizadas pelo policiamento escolar.

Por isso são de grande importância. Se não fossem as rondas e as visitas escolares, a equipe não estaria na escola quando o ex-aluno infrator voltou”, frisou a tenente.

Vídeo registrou prisãoA cena do jovem sendo detido dentro da sala de aula foi registrada por alunos(veja vídeo ao lado).
A PM confirmou a veracidade do vídeo e completou que os homens são vinculados ao Policiamento Escolar da Zona Sul.

No registro é possível ver o rosto de um policial sangrando, e de acordo com o comando do policiamento, o ferimento foi por causa de um soco dado pelo jovem ao ser abordado dentro da escola.
Ainda na sexta-feira uma nota que seria assinada pela escola estava sendo divulgada por professores e alunos da escola nas redes sociais.

Nela estava um relato da situação, descrevendo a agressividade do ex-aluno com os policiais, inclusive confirmando a agressão ao militar. O comunicado reitera os antecedentes do jovem dentro do convívio escolar.

.