A nova tendência do mercado de trabalho é o escritório compartilhado, conhecido como Coworking, que é um modelo baseado no divisão de um espaço comum, que abriga profissionais e empresas diferentes. Foi pensando nisso que o jovem empreendedor, Hermann Teschi, decidiu abrir o primeiro Coworking de Ji-Paraná, cidade na região central de Rondônia, localizada cerca de 370 quilômetros de Porto Velho.
Segundo o empreendedor, profissionais que estão começando a carreira são que mais procuram o novo ambiente.

“O escritório compartilhado é um ambiente pensado pra uma pessoa que esteja começando agora, onde os custos são bem menores do que montar um escritório individual, além de fugir de uma série de burocracias”, explicou Hermann.
O serviço funciona de maneira pré-paga com contrato social, no qual o profissional paga uma mensalidade definida e tem direito a uma estação de trabalho, mesa de reunião e infraestrutura do local, além de serviços como acesso a internet, bebedouro e recepcionista.

“Na verdade, o conceito do escritório compartilhado veio da faculdade. Às vezes cinco colegas se formavam no mesmo curso e decidiam montar um escritório, só para que todos usem.

Somente depois é que chegou a ideia de tornar um negócio”, afirmou o empreendedor.
Essa foi a solução para Luana de Oliveira.

A engenheira ambiental e uma colega foram demitidas na mesma semana, e a necessidade de prosseguir no mercado fez com que as duas, em agosto de 2015, montassem um escritório de consultoria ambiental. “Quando montamos nosso escritório ainda não existia a ideia do Coworking em Ji-Paraná.

Teria ajudado muito, pois quando você coloca na ponta do lápis os gastos iniciais e os gastos fixos mensais, sempre rola uma insegurança se está ou não na hora de abrir um negócio”, conta Luana.
O empresário e design gráfico, Thiago Canuto, de 28 anos, foi um dos profissionais que optou pelo espaço compartilhado por entender que o espaço seja um local neutro, ideal para recepcionar seu publico, desde jovens a procura de material para uma festa à grandes empresas.

“Por mais que o meu ramo principal envolva internet, o contato direto com o público é importante tanto para o ‘networking’ entre profissionais, quanto no ‘feedback’ com clientes”, explica Thiago.
Hermann conta que quando estudava no sul do país presenciou muitos universitários recorrendo aos escritórios compartilhados para, além de ter um local de trabalho, criar laços comerciais.

O empreendimento feito por Hermann no começo de abril foi o primeiro escritório compartilhado comercial de Ji-Paraná e o segundo do estado.
“Um pouco antes de abrirmos nosso escritório aqui em Ji-Paraná, também foi inaugurado um em Porto Velho.

Já são mais de 150 escritórios em todo Brasil. Fico contente em estar entre os primeiros de Rondônia”, completa Hermann.

.