Peça com ‘qualidade questionável’ que cedeu foi um dos fatores que ocasionou desabamento de parte da estrura da ponte na Avenida Raul Barbosa. (Foto: Lena Sena/ Do G1 CE)
Falhas na montagem da estrutura, falhas nos projetos e uso de peça com ‘qualidade questionável’ estão entre as causas para o desabamento da ponte na Avenida Raul Barbosa, em Fortaleza, no último dia 22 de fevereiro, que deixou dois operários mortos. É o que aponta o laudo dos peritos criminais da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), divulgado na manhã desta terça-feira (12).

“A gente constatou diversas falhas na montagem, divergência nos projetos, falhas no acompanhamento da execução e falha em uma peça. A gente acredita que tudo isso junto causou o desabamento da estrutura”, indicou o perito adjunto do Núcleo de Engenharia da Pefoce, Lauro Ferreira Rocha Júnior.

O perito acrescenta que, apesar de existir um relatório de acompanhamento da obra, documento em que “algumas falhas foram detectadas, mesmo assim foi executado [o projeto]. A conclusão disso tudo quem vai fazer é o delegado no inquérito”, disse.

O laudo foi elaborado por quatro peritos. Dois deles assinaram o resultado.

O laudo será encaminhado para o delegado Silas Munguba, do 4° Distrito Policial (DP). Sobre quem será responsabilizado pelo acidente, o perito esclareceu que essa resposta será dada pelo inquérito e Ministério Público quando for denunciar o caso.

“Com a gente são só as causas”, reiterou. A construtora Ferreira Guedes, responsável pela terceirização do serviço de escoramento, informou ao G1, por meio de seu departamento jurídico, que não teve acesso ao laudo conclusivo dos peritos e, por isso, não se manifestaria sobre o assunto.

A Prefeitura de Fortaleza comunicou que também não recebeu o resultado da Pefoce. Problemas técnicosEntre os itens apontados relativos às falhas na orientação da montagem, a Pefoce citou permissão para montagem da estrutura de escoramento, com peça de qualidade questionável; não houve correção das falhas de montagem; liberação do procedimento de concretagem da viga longarina, mesmo com a estrutura de escoramento apresentando falhas de montagem.

 Devido à ‘locação de peça de qualidade questionável’, o laudo indicou peça metálica locada para montagem da estrutura de escoramento, apresentando problemas na execução da sua sondagem. Com relação às falhas nos projetos, o documento citou: incompatibilidade de projetos, impossibilidade de execução do estaiamento transversal no centro das torres tubulares, divergência quanto ao contraventamento a ser executado no conjunto de treliças metálicas, especificação incompleta do material a ser utilizado no estaiamento das torres tubulares, ausência de detalhamento referente: fixação do pranchão de madeira, Sobre a peça que rompeu, o especialista disse que o material foi examinado na Pefoce.

“Essas peças faziam parte da união entre treliças. Constatamos que a falha era na soldagem e encaminhamos para o Laboratório de Pesquisa, Tecnologia e Soldagem da UFC (Universidade Federal do Ceará), formado por engenheiros especialistas em soldagem.

Recebemos o laudo deles constatando o erro na soldagem e anexamos ao nosso”, disse o perito. DesabamentoO desabamento aconteceu no dia 22 de fevereiro, deixando dois operários mortos e sete feridos.

O acidente aconteceu na duplicação da Ponte do Lagamar. A obra contemplava a construção de dois viadutos por cima de uma rotatória no cruzamento das avenidas Murilo Borges e Raul Barbosa.

Desabamento da obra do viaduto no cruzamentodas Avenidas Raul Barbosa com Murilo Borges,em Fortaleza (Foto: Lena Sena/G1 CE)
No dia seguinte ao acidente, o secretário de infraestrutura de Fortaleza, Samuel Dias, disse que o desabamento foi causado por uma falha no escoramento da estrutura. Explicou ainda que uma investigação iria detectar que tipo de falha ocorreu.

“Precisamos investigar o que causou a falha no escoramento, se foi uma questão de carregamento durante a execução do concreto, se foi a montagem, se foi a qualidade das peças, se foi o apoio das peças”, explicou o secretário.  
.