Árvore cresceu dentro de túmulo no cemitério Santo Antônio em Porto Velho (Foto: Matheus Henrique/G1)
Moradores denunciam furtos de placas de mármore e prata no histórico cemitério de Santo Antônio, em Porto Velho. Segundo relatos, criminosos invadem o local no período da noite para furtar peças de mármore e bronze, que servem para tapar os túmulos que enfeitam os caixões. Além dos furtos, quem visita o local também reclama de ossadas humanas que estão visíveis.

O secretário da Secretaria Municipal de Serviços Básicos (Semusb), Eduardo Damião, afirmou ao G1 que não recebeu nenhuma notificação. “Temos um vigia noturno e durante o dia nove homens trabalhando no local, não recebemos nenhuma notificação.

Existem mais de 50 mil túmulos e alguns são menos sofisticados, nem todos têm placa de mármore e a maioria possuem uma camada fina de concreto que pode ser quebrado”, explica Damião. Crânio humano encontrado em um túmulo abertoem Porto Velho (Foto: Matheus Henrique/G1)
A equipe do G1 foi até o local e constatou vários túmulos abertos, com sinais de arrombamento e vandalismo.

A funcionária pública Maria Diraci reclama da falta de respeito das pessoas que fazem os furtos.
“Arrebentantam a estrutura de ferro, quebraram algumas peças de marmore e levaram algumas peças de bronze, o que envolvia fotos”, disse a servidora pública, ao chegar no cemitério e se deparar com o portão do mausoléu da familia arrebentado.

Ainda segundo o secretário da pasta, Damião vai verificar a possível existência dos furtos junto ao diretor do setor. “Se estiver existindo os furtos, vamos registrar a ocorrência, para polícia tomar as providências”, explica.

O secretário também deixou claro que, “a legislação diz que o zelo pelos túmulos é responsabilidade da família, estamos trabalhando para tampar”.
O cemitério recebe mutirão de limpeza uma vez por mês para eliminar o mato que tem facilidade de se espalhar pelo local.

A ideia da secretaria é procurar outro espaço na cidade para a construção de um “Cemitério Park”, em Porto Velho.
Em entrevista ao Rondônia TV nesta segunda-feira (2), o secretário Eduardo Damião disse saber de casos de furtos, mas nada atual.

“Tivemos a informação que existem ocorrências antigas, recentemente não. O cemitério é muito grande.

São mais de 60 mil túmulos e o poder público não tem condição de cuidar 24 horas por dia”. Placa de mármore solta no cemitério Santo Antônio em Porto Velho (Foto: Matheus Henrique/G1)
.