Suspeito teve prisão temporária de cinco diasdecretada (Foto: Divulgação/MP)
O Ministério Público de Alagoas (MP-AL) informou, nesta quinta-feira (28), que o os promotores do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) pediu a revogação da prisão do empresário Luciano Lima Lopes, o “Luciano Cabeça”, suspeito de ter envolvimento em fraudes à licitações em municípios dos litorais Norte e Sul do estado.
De acordo com o MP, o pedido foi feito à 17ª Vara Criminal da Capital, após os promotores ouvirem Lopes e acreditarem ter todas as informações necessárias para dar continuidade nas investigações, uma vez que o suspeito colaborou e não oferece riscos, caso fique em liberdade.
A prisão do empresário, que aconteceu em um edifício na Avenida Doutor Mário Nunes Vieira, na Jatiúca, é provisória e tem um prazo de cinco dias.

Durante a ação, equipes policiais cumpriram mandados de busca e apreensão de objetos ilícitos, instrumentos de furto ou crime, substâncias entorpecentes e armas de fogo. Também foram feitas buscas na empresa de locação de veículos e máquinas que pertence a Lopes.

FraudeAs investigações apontam que a fraude se dava por meio de empresas fantasmas que forneceriam essas notas falsas para justificar as despesas feitas pelos gestores. Segundo o MP, havia um acordo firmado em que Lopes receberia 7% do valor desviado.

Lopes teria sido denunciado por vítimas e, além de responder por fraude em licitação, é suspeito de estelionato.
.