Atores do espetáculo “Alice” encenada desde 2014  (Foto: Divulgação/Artheatrum)
O sucesso de “Alice no País da Maravilhas” ganhou uma nova versão através da encenação do Movimento Cênico Artheatrum, de Macapá. O espetáculo “Alice” traz um universo paralelo ao da história original, reforçando o alerta para o abuso e exploração sexual de crianças e adolescente no Amapá. A peça será apresentada gratuitamente na quarta-feira (27), no Teatro das Bacabeiras, no Centro da capital, dentro da programação do Festival Curta Teatro.

Peça é uma adaptação da história “Alice no País daMaravilhas” (Foto: Divulgação/Artheatrum)
Encenada desde 2014, a peça conta o drama de uma jovem milionária, que perde os pais em um incêndio, e desde então passa a apresentar transtornos mentais. Internada em um hospital, a jovem passa a sofrer abusos, e para se proteger cria um universo paralelo chamado de “país das maravilhas”.

De acordo com os produtores, o espetáculo busca alertar a plateia para as reflexões sobre os casos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescente no estado, mostrando que os agressores podem ser pessoas próximas ou da própria família. A ideia é reforçar as consequências psicológicas que esse crime pode causar nas vítimas.

Peça vem alertar sociedade sobre crime de abusosexual no estado (Foto: Divulgação/Artheatrum)
“Todo ato não concessivo nas relações humanas por si só já é obscuro, repreensível e desumano, se tratando especificamente de estupro é um ato no mínimo imperdoável, e acometidos contra incapazes é algo terrivelmente abominável”, disse Santiago Junior, diretor do espetáculo.
Qualquer cidadão pode denunciar ato de exploração sexual de crianças e adolescentes sem precisar se identificar pelo disque 100 ou pelo disque-denúncia 181.

.