Material foi apreendido em bueiro localizado na área externa do Iapen, em Macapá (Foto: GTP/Divulgação)
Um bueiro aberto na área externa do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen), na Zona Oeste de Macapá, foi apontado como uma rota de fuga de presos e por onde eles recebiam drogas, celulares e bebidas, informou o Grupo Tático Prisional (GTP).
Na quarta-feira (11), foram apreendidos dentro do buraco 16 celulares, drogas e três garrafas, sendo uma com fermento que serviria para a confecção de bebidas alcoólicas artesanais, e duas com gasolina.
A direção do Iapen informou que o bueiro está aberto por conta de uma obra de saneamento que estava paralisada e foi retomada em abril.

O prazo para a conclusão dos serviços é até o segundo semestre de 2016. Buraco está localizado na área externa do Iapen(Foto: John Pacheco/G1)
O buraco foi alvo de uma investigação do núcleo de inteligência da instituição e do GTP.

Ele fica localizado próximo ao pavilhão F4, na área externa, por trás da penitenciária.
“Recebemos a informação na terça-feira [10] que iriam tentar passar esse material por um esgoto que tem por baixo da muralha.

Ficamos de campana, mas não obtivemos êxito no primeiro momento. Na quarta-feira foram feitas novas buscas e os agentes que colocaram a mão no esgoto encontraram no local esse material”, disse o agente do GTP, Fausto Jardim.

Os agentes também tinham a informação de que no material encontrado no bueiro também estariam armas de fogo, que não foram localizadas. Ainda na terça-feira, um dos agentes que investigavam a situação chegou a cair dentro do bueiro.

“Com o período chuvoso, o matagal está muito alto, foram deixados buracos por conta da obra, que estão cheios, e na operação um agente acabou caindo nesse bueiro. O buraco era uma fossa que estava cheia.

Mas ele foi logo resgatado por outros agentes”, informou Jardim. Celulares, drogas e garrafas foram encontradosem buraco (Foto: GTP/Divulgação)
Segundo o agente, o buraco serve de rota de fuga de internos e já foram encontrados materiais em outras ocorrências.

“Essa é só uma situação. Esse buraco foi inclusive rota de fuga, dessas e outras situações.

E já lançamos ocorrências para que sejam tomadas providências. Não sabemos quando ele será fechado.

Já tiveram várias ocorrências dessa natureza”, completou Jardim.
O diretor do Iapen, Jeferson Dias, disse que o bueiro em aberto faz parte de uma obra de saneamento básico realizada no presídio.

Ele não soube precisar o ano que iniciou o serviço, que estava parado desde 2013. A obra foi retomada em abril.

“Estamos com uma obra, que é o projeto do hidrosanitário. É um projeto que capta todos os dejetos dos pavilhões e joga para uma estação de tratamento atrás da penitenciária.

Esses bueiros fazem parte desse projeto que está sendo trabalhado. Essa obra acontece há muitos anos, mas estava paralisada.

No mês de abril retomamos as obras. A empresa tem quatro meses para finalizar e temos esse tempo para resolver esse problema”, declarou Dias.

A direção confirmou que tinha conhecimento da situação e informou que a segurança do Iapen deve reforçar o monitoramento da área até que aconteça o fechamento do bueiro.
“Não foi a primeira apreensão através desse buraco.

Já tínhamos conhecimento. A questão da segurança interna que a gente precisa atentar enquanto não finaliza a obra”, concluiu Jeferson Dias.

.