Samu deve adquirir localizador por GPS para identificar falsos pedidos de socorro (Foto: Estevam Eliel/G1)
Nos dois primeiros meses de 2016 o Serviço de Atendimento de Urgência (Samu) no Amapá registrou 4. 726 mil trotes, através do número 192. As ocorrências atrapalham o desempenho das unidades.

Adolescentes são os mais que mais praticam a ação criminosa.
No mês de janeiro foram 2.

568 mil registros e em fevereiro, 2. 158 mil trotes.

A coordenação do Samu no Amapá informou que deve adquirir um localizador por GPS, que tornará possível a identificação dos infratores. Ademar Rodrigues, coordenador do Samu(Foto: Estevam Eliel/G1)
“Até o final do ano nós estaremos interligados ao sistema de rádio, e onde a minha ambulância estiver, eu vou saber pelo GPS, então nós vamos ter mais condições de saber onde está sendo feita aquela ligação”, explicou o coodenador do Samu, Ademar Rodrigues.

Normalmente os trotes acontecem após os horários de saída das escolas, no entanto, muitos registram também flagram a participação de adultos.
“O que nos deixa mais tristes é que não são apenas crianças e adolescentes, mas pessoas adultas que se dão ao luxo de fazer uma coisa dessa.

Quando nossas ambulâncias saem, vidas são colocadas em risco. Nossa equipe vai atrás de socorrer alguém quem não existe” lamentou o coordenador.

Campanhas educativas com panfletos estão sendo realizadas nas escolas pelo Samu, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar. Durante falso atendimento, ambulância foi atingidapor carro e oficial morreu (Foto: PRF/Divulgação)
Um dos casos mais graves de trote terminou em morte, em Macapá.

Ao ser chamada, uma ambulância saiu para atendimento e durante o trajeto, se envolveu em um acidente de trânsito que resultou na morte de uma oficial do Corpo de Bombeiro. A polícia comprovou que o chamado era falso.

“Vidas já foram ceifadas. Uma equipe saiu a procura de um acidente automobilístico e bateu em um carro, a bombeiro caiu e veio a falecer, e isso é muito triste.

Eu conclamo para que as pessoas não façam isso, porque alguém muito querido, um pai e mãe, poderá deixar de ser atendido”, disse o coordenador do Samu.
De acordo com a lei 340 do Código Penal, trote é crime e o infrator, se condenado, poderá pegar de um a seis meses de prisão ou pagar multa.

.