Número de animais abandonados em Ji-Paraná ainda preocupa (Foto: Marco Bernardi/G1)
Segundo uma ONG, houve uma diminuição na quantidade de animais abandonados nas ruas de Ji-Paraná, cidade na região central de Rondônia. Contudo, ainda é possível ver cães e gatos abandonados. A baixa no número se deve, em boa parte, por ações organizadas pelas ONGs de proteção ao animal presentes no município.

Mas a conscientização da população ainda é um obstáculo.
“Muitas pessoas acham que o Centro de Zoonose é um depósito de animais.

Eles chegam lá e deixam o bichinho. Antes do trabalho das ONGs, o número de animais no Centro de Zoonose era maior.

Hoje, principalmente com a castração, o número vem diminuindo”, informa Rosana Pereira, médica veterinária e presidente da ONG Amparo Animal. Rosana Pereira, veterinária de Ji-Paraná (RO)(Foto: Marco Bernardi/G1)
Rosana comenta que há um certo preconceito sobre a castração de cães machos.

“Tem pessoas que não querem castrar animais machos, por acharem que vão tirar a masculinidade do bichinho, mas eles não sabem que é mais fácil fazer o procedimento com machos. A gente consegue castrar um cachorro em cinco minutos, enquanto uma fêmea leva meia hora”, explica a veterinária.

Frequentemente, campanhas de castração são realizadas em Ji-Paraná. Esta ação é considerada a principal para diminuir o número de animais nas ruas.

“A única maneira de diminuir a quantidade de animais abandonados é a castração e a conscientização das pessoas. Como não temos muitos recursos financeiros, fazemos isso pouco a pouco”, afirma Bruna Cargnin, voluntária na Sociedade Protetora dos Animais de Ji-Paraná (Soproteji).

“As pessoas podem ajudar doando ração, medicamentos ou ajudando financeiramente. E, principalmente, podem ajudar adotando animais em vez de comprar e castrando-os para que a população de rua possa diminuir”, pede Bruna.

Animais são deixados no Centro de Zoonose de Ji-Paraná (Foto: Marco Bernardi/G1)
.