Obras de construção de quadras esportivas, escolas e creches estão paradas no bairro Vila Frei Solano, em Bacabal, a 240 km de São Luís. A situação, além de causar revolta também tem gerado muita insegurança, pois os locais onde as obras começaram estão servindo como abrigo de marginais.
Uma moradora que preferiu não se identificar conta que a situação é revoltante e que onde era para ser uma quadra de esportes virou refúgio de bandidos.

“Ninguém dorme de noite, com gente gritando, gente roubando, assalto o povo. Pessoal passa na rua com medo.

Tem um ‘bocado’ de meninos de tarde que assaltam os celulares de quem passa. Esse negócio aí [a quadra] foi muito mal feito.

Não é uma quadra, é m galpão do que não presta”, relatou.
A informação que consta na placa dá conta que a quadra deveria ter sido entregue em junho de 2015 e que ela custou aos cofres públicos mais de R$ 500 mil.

O servente de pedreiro, Manoel Andrade trabalhou no início das obras e contou que não tem recebido o pagamento pelo serviço. Ele conta, desolado, que a situação da família está complicada.

“Eles pagaram somente 10 dias de trabalho, em junho. Meus filhos estão passando mal, fome.

Se vocês virem a situação da minha casa é crítica”, lamentou.
No lugar onde era pra ser uma creche ficaram somente o espaço e as reclamações de quem estava esperando para ver seu local de trabalho construído.

É o caso da professora Maria Graça Ximenses. “Eu sonhava com essa creche aqui.

Quando passava com me neto ele dizia que iria estudar aqui. E vê um matagal desse aí.

Com tanto dinheiro se estragando acho que o bairro precisava dessa creche. Vem tanta verba e não se vê benefício nenhum”.

Creche era para ser entregue em 2015, mas ainda não passou do alicerce (Foto: Reprodução/TV Mirante)
O secretário de Educação do município, Carlos Gusmão, afirmou que a situação da creche é problema da gestão anterior. “Ela [a creche] é da gestão anterior, ainda.

Está inacabada, realmente. Nós não tivemos acesso a nenhuma documentação daquela creche e também nenhuma verba.

É um problema da gestão anterior e está na Justiça”.
Na zona rural, a obra de construção de uma quadra de esportes que era para ser concluída em três meses está inativa desde 2014.

Manoel Andrade também trabalhou nessa construção e mais uma vez reclama. “Nunca recebemos um centavo nem deram baixa na nossa carteira.

Como posso trabalhar, se quando puxam minha ficha a minha carteira está assinada”, contou.
O secretário de Educação explica a situação com a crise financeira.

“Assim que for repassada a verba, a obra vai reiniciar. É a cobrança que estamos fazendo.

A gente espera que até metade do plano as quadras sejam entregues, tanto na zona rural quanto no centro”, justificou. Segundo moradores, espaços têm virado abrigo de marginais (Foto: Reprodução/TV Mirante)
.