O Ministério Público Federal (MPF) apresenta nesta quinta-feira (28), em Curitiba, denúncias relacionadas a duas fases da Operação Lava Jato. A 23ª, que investigou pagamentos feitos ao marqueteiro de campanhas do Partido dos Trabalhadores (PT) João Santana, e a 26ª que apurou a suspeita de que empresa Odebrecht possuía um departamento responsável por fazer pagamentos de vantagens indevidas a servidores públicos.
De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, em meio a 23ª fase, João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, aparecem como suspeitos de receber dinheiro do esquema de corrupção na Petrobras e do engenheiro Zwi Skornicki, apontado como um dos operadores do esquema descoberto na petrolífera.

Para a PF, há indícios de que Santana  teria recebido US$ 3 milhões de offshores ligadas à Odebrecht, entre 2012 e 2013, e US$ 4,5 milhões do engenheiro Zwi Skornicki, entre 2013 e 2014. Veja os denunciados1) Zwi Skornicki2) Pedro José Barusco Filho3) Renato de Souza Duque4) Monica Regina Cunha Moura5) Joao Cerqueira de Santana Filho6) João Vaccari Neto7) José Carlos de Medeiros Ferraz8) Eduardo Costa Vaz Musa
A segunda denúncia trata da 26ª etapa, no qual a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) afirmaram que a Odebrecht possuía um departamento responsável por fazer pagamentos de vantagens indevidas a servidores públicos em razão de contratos firmados pela empresa com a PetrobrasVeja os denunciados1) Marcelo Bahia Odebrecht2) Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho3) Luiz Eduardo da Rocha Soares4) Fernando Migliaccio da Silva5) Maria Lucia Guimarães Tavares6) Angela Palmeira Ferreira7) Isaias Ubiraci Chaves Santos8) Monica Regina Cunha Moura9) João Cerqueira de Santana Filho10) João Vaccari Neto11) Olívio Rodrigues Junior12) Marcelo RodriguesDenunciados pelo MPF nesta quinta-feira (28) (Foto: Thais Kaniak/G1)
.