Manifestação ocorreu na manhã desta segunda-feira (Foto: Arquivo/Alexandre Simões)
Um grupo de cerca de 100 pessoas realizou uma manifestação na manhã desta segunda-feira (25), em frente a sede da Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas (Susam), em Manaus. Entre os manifestantes havia pacientes renais crônicos e pessoas que foram submetidas transplantes de órgãos. Eles pedem melhorias no sistema de saúde.

  
Segundo o grupo, vários problemas têm afetado o tratamento dos pacientes renais crônicos e a realização de transplantes.  
O ato de hoje foi promovido pela Associação dos Transplantados do Amazonas e Associação dos Pacientes Renais Crônicos do Amazonas.

     
Alexandre Simões de Souza, de 41 anos, faz tratamento há 1 ano e seis meses para uma doença renal crônica.   “Os pacientes precisam fazer 3 sessões de hemodiálise por semana e atualmente existe paciente que só consegue fazer uma por mês.

Enquanto não há uma solução pela Susam, 78 pessoas morreram na fila para fazer hemodiálise corretamente desde o início do ano”, afirma.
Os manifestantes dizem ainda que o atendimento de pós-transplantados é realizado por apenas um nefrologista.

A clínica onde é realizado atendimento também ameaça suspender o serviço por falta de repasse de verbas do governo, de acordo com Alexandre.
A Susam rebateu a informação.

” O órgão ressalta, entretanto, que não procede a informação de que as clínicas conveniadas da rede tenham suspendido os serviços de Hemodiálise, para atendimento dos doentes renais crônicos. O pagamento destes serviços é realizado mediante o repasse de recursos federais”, afirma nota enviada ao G1.

VerbaSegundo a secretaria, há quatro clínicas conveniadas no estado. Uma delas “está com repasse atrasado, porque o referido hospital não apresentou documentos (certidões negativas de débito) exigidos para liberação dos recursos.

Mesmo assim, até o momento, não houve interrupção do serviço de hemodiálise ofertado”. Os documentos estariam sendo providenciados pela unidade para realização do repasse.

Ainda de acordo com a Susam, o governo negocia para ampliar o número de vagas para atendimento dos pacientes. O serviço de hemodiálise deve ser ampliado na Fundação Hospital Adriano Jorge.

“Este serviço já começou a funcionar e, atualmente, 31 pacientes/mês já estão sendo atendidos. A partir de maio, esse número chegará a 71 pacientes/mês.

Paralelamente, a Susam está avançando nos procedimentos para iniciar as obras de reforma do antigo setor de Tisiologia do Hospital, onde será instalada toda a estrutura da Clínica de Hemodiálise da unidade. O número de atendimentos será ampliado conforme a capacidade do serviço.

Quando a obra estiver pronta, o que deve ocorrer no segundo semestre, a capacidade instalada da clínica permitirá atender 300 pacientes/mês. Será o maior centro de diálise do estado”, diz a secretaria.

.