Usuários esperam quase 1 hora por ônibus em paradas de Manaus (Foto: Ive Rylo/ G1 AM)
A paralisação parcial dos motoristas e cobradores de ônibus atingiu, até o fim da tarde desta segunda-feira (16), aproximadamente 220 mil pessoas, de acordo com estimativa do Sindicato das Empresas de Transporte de passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram). A categoria reivindica por reajuste salarial de 20%, entre outros benefícios.
No fim da tarde, das 10 concessionárias do transporte coletivo, apenas a Açaí Transportes, Expresso Coroado e Via Verde retornaram om 100% da frota às ruas.

De acordo com o Sinetram, o restante das empresas voltou a operar com 70% da frota. Atualmente, o sistema opera com 10 empresas, em 222 linhas.

São 1,4 mil veículos que operam diariamente, transportando uma média de 900 mil pessoas. Terminais e pontos de ônibus ficaram lotados nesta segunda (16) em Manaus (Foto: Jamile Alves/G1 AM)Apesar de mais de 50% da frota ter sido colocada nas ruas no fim da tarde, muitas pessoas reclamam da demora.

“Paciência” foi a palavra do dia adotada pelo vigilante Wilson de Oliveira, 32 anos, quando precisou utilizar o transporte coletivo para se deslocar nesta segunda. Pela manhã ele esperou 1h30 minutos o ônibus que o levou de casa, no bairro Japiim, Zona Sul, para o trabalho no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul.

O retorno não foi diferente. “Estou há 45 minutos esperando o 213 para voltar para casa.

Hoje cedo  eu esperei o ônibus cerca de 1h30 e cheguei atrasado no trabalho. Só muita paciência mesmo para passar por isso.

E, ainda falam em aumentar o valor da passagem. Só o salário do trabalhador que não aumenta”, afirmou o vigilante.

A espera de um ônibus da linha 672 para voltar para casa exigiu calma da doméstica Ecilene de Oliveira, 43 anos. “Os ônibus estão passando lotados e não estão parando.

Essas greves atrapalham muito. E, o patrão não entende, ele tem o carro dele”, desabafou.

Para não chegar atrasada no trabalho, ela conseguiu uma carona. “Para ir para o trabalho eu fui de carona, para não chegar atrasada.

Mas na volta, dependo do transporte coletivo”, disse.
A aposentada Maria do Carmo Mesquita, 77 anos, mora em frente a uma parada de ônibus e acompanhou a grande movimentação dos usuários.

“Vejo gente mais de hora aqui esperando o ônibus que faz pena. Os ônibus passam tão lotados que não estão parando.

Mas, é direito dos trabalhadores terem o aumento e os empresários não querem dar”, disse. Grupo de rodoviáios ocupou a frene da sede do TRT (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Na manhã desta segunda, um grupo de trabalhadores liderados pelo Sindicato dos Trabalhadores  em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM) ocupou a frente da sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), na Avenida Tefé, Zona Sul.

A categoria reivindica por reajuste salarial de 20%, além de outros benefícios. A reportagem do G1 entrou em contato com a presidência do STTRM, mas não conseguiu resposta.

.