Situação ocorreu em Mamborê, no interior do Paraná, na madrugada de sábado (9) (Foto: Divulgação/PRF)
A perícia feita pela Polícia Civil nos corpos dos dois motoristas do ônibus do acidente em Mamborê, no Paraná, Cláudio Cordeiro e Elísio Cordeiro, concluiu que não havia sinais de perfurações de bala de fogo. O resultado do exame foi divulgado pela Polícia Civil neste domingo (10). Não se sabe ainda qual dois estava ao volante no momento da batida.

Ao todo, onze pessoas morreram e 23 ficaram feridas no acidente. Confira a lista com o nome dos mortos.

Como o acidente ocorreu logo após uma tentativa de assalto, suspeitou-se que o condutor teria perdido o controle da direção e batido em uma árvore porque tinha sido baleado. Com o resultado da perícia, esta hipótese foi descartada.

Agora, o próximo passo para as investigações será a conclusão da perícia no ônibus, que ficou totalmente destruído com a batida.
Os corpos dos motoristas, além de outras seis vítimas do acidente foram velados e sepultados no interior de São Paulo.

Duas vítimas eram de Maringá e foram sepultadas no Cemitério Municipal da cidade. A última morte registrada foi por volta das 16h deste domingo.

A vítima era um dos feridos e estava internada no Pronto Socorro de Campo Mourão.
Até as 18h50 deste domingo, seis feridos ainda permaneciam internados – três deles em estado gravíssimo.

Entenda o acidenteO ônibus com placas de Dracena, no interior de São Paulo, tinha saído de Presidente Prudente, no mesmo estado, e seguia para o Paraguai. O grupo faria compras no país vizinho.

Os passageiros relataram à polícia que foram acordados pelo barulho de tiros momentos antes do acidente.
“Era um comboio de cinco ônibus.

Esse ônibus ficou por último, foi interceptado por outro veículo e foram efetuados de cinco a seis disparos. A maioria das vítimas estava dormindo e não viu o que aconteceu, só ouviu”, disse o delegado da Polícia Civil João Paulo Lauandos.

Ainda segundo o delegado, um dos passageiros relatou à polícia que viu dois indivíduos com lanternas no lado de fora. “Eles estavam procurando, perguntando se mais alguém tinha morrido, com atitude bem suspeita, de bonés.

Tudo indica que se trata mesmo de uma tentativa de assalto”, afirma. InvestigaçãoUma verificação preliminar da PRF aponta que o veículo estava registrado na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), mas não tinha autorização para fazer a viagem.

A Polícia Civil já abriu um inquérito para investigar o caso.
.