O amor pelos animais transformou a vida do mineiro e representante comercial Bruno Brandão e fez com que ele se tornasse um voluntário do “Programa Asas” –  projeto ambiental de área de soltura de animais silvestres.
Ele é de Araguari, no Triângulo Mineiro, e construiu um viveiro na fazenda dele. Os animais que vão para o viveiro são apreendidos pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), Polícia Ambiental e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Todos eles, produtos de tráfico de animais. Viveiro recebeu 40 papagaios em outubro do ano passado em Araguari.

(Foto: Reprodução/TV Integração)
Assim que são resgatados, eles vão para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), em Belo Horizonte, onde passam por vários exames. Aqueles que estiverem em condições de voltar pra natureza são levados para o viveiro em Araguari, onde ficam até se fortalecerem para serem soltos no habitat natural.

O viveiro tem 54 metros quadrados e Bruno não tem qualquer recompensa financeira. Ele contou com parcerias na construção do viveiro e assim como na recuperação destes animais.

Bruno Brandão não tem ganhos financeiro comprojeto (Foto: Reprodução/TV Integração)
Em outubro do ano passado, Bruno recebeu 40 papagaios, dois ouriços caixeiros, cinco gaviões e um tucano. Só os papagaios precisaram ficar mais tempo no viveiro, os outros animais foram soltos no dia que chegaram à fazenda.

Os papagaios, começaram a ser devolvidos à natureza nesta quinta-feira (14). Assim que todos tiverem saído, o viveiro vai receber novos animais.

Bruno acredita que serão araras. Tráfico de AnimaisA cidade vizinha de Araguari, Uberlândia, é rota de tráfico de animais que vem de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Norte de Minas, sentido São Paulo.

Segundo dados da Polícia de Meio Ambiente, no ano passado foram apreendidos cerca de mil animais na região, a maioria, pássaros.
No mercado negro, tem papagaios que chegam a custar R$ 300.

.