Prefeito Gilmar Machado fez anúncios durante coletiva nesta sexta-feira (Foto: Fernanda Resende/G1)O prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado, anunciou, nesta sexta-feira (15), mudanças na presidência e diretorias da Fundação Saúde do Município de Uberlândia (Fundasus). Ele também falou sobre o concurso público realizado pela Fundação no ano passado.
No lugar de Marcelo Porta, Cássio José de Sousa assume a presidência.

Rubens Paulo dos Santos assume a vaga que era de José Ricardo Bertoldo na diretoria administrativa. Já na rede de atenção à Saúde, quem assume interinamente a diretoria é Rúbia Arakaki de Oliveira, no lugar de Juliana Markus, que está de licença maternidade.

Rogério Zeidan também deixou o cargo, mas a diretoria de Formação e Qualificação de Pessoas ainda está vaga. O nome de quem vai ocupar o cargo deve ser anunciado na próxima semana.

De acordo com o prefeito, não houve nenhum tipo de desgaste ou desentendimentos com os desligados. Ele elogiou o trabalho desenvolvido, mas disse que a reestruturação era importante para mais resultados na Saúde.

Após anunciar os nomes, Gilmar Machado solicitou ao novo presidente da Fundasus que entregasse, até 1º de maio, o Centro de Atenção ao Diabético e o Centro de Imagem e Ultrassom. Apesar do pouco tempo que falta, Cássio José falou da responsabilidade e garantiu que irá trabalhar em prol da solicitação do prefeito.

O Centro de Atenção ao Diabético fica localizado no Bairro Patrimônio, que está em reforma desde outubro do ano passado. Enquanto não fica pronto, os usuários estão sendo atendidos nas Unidades de Atendimento Integrado dos bairros Tibery e Martins.

“O Centro de Atenção ao Diabético já está praticamente pronto. Já o Centro de Imagem e Ultrassom é uma necessidade do Município para desafogar as filas formadas com esse tipo de exames.

É uma forma de atender melhor a população”, disse. FundasusDurante o pronunciamento sobre as mudanças, o prefeito falou sobre o concurso da Fundasus, realizado no ano passado.

Por ter sido feito em modelo Celetista e o Ministério Públicos de Minas Gerais questionar que devia ter sido Estatutário, as contratações não foram autorizadas pela Justiça.
Porém, o prefeito comentou sobre as vagas temporárias, com duração de seis meses, que estão sendo criadas para chamar os candidatos aprovados.

“O Ministério Público é contra concurso, mas nós estamos na Justiça. Estamos seguindo o roteiro e esperamos que ao fim dessas contratações temporárias, a Justiça nos dê ganho de causa para que nós possamos efetivar os que passaram no concurso”, afirmou.

O promotor Fernando Martins disse que a Prefeitura está descumprindo as determinações do Tribunal de Justiça que proibiu a contratações. O promotor afirmou que irá processá-los novamente por este descumprimento.

.