Familiares de presos aguardaram apreensivos fim de rebelião (Foto: Jamile Alves/G1 AM)
Um homem que estava preso no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), localizado no km 8 da BR-174, que liga Manaus e Boa Vista, foi solto graças a um alvará de soltura pouco antes de uma rebelião iniciada na noite desta terça-feira (3). “Foi um livramento”, disse ao G1 o ex-interno que preferiu não ser identificado. VEJA IMAGENS DA REBELIÃO NO CDPM
O ex-detento disse ainda que estava realizando os procedimentos para saída da unidade prisional quando a rebelião começou, por volta das 18h.

“O que o pessoal comenta é que tinha um preso na enfermaria. Ele pediu para ir no banheiro e, nessa ida, já pegou a enfermeira”, afirmou.

Após sair da penitenciária, o homem se uniu a uma multidão de familiares de detentos. Eles foram ao local para buscar informações sobre os parentes presos.

O pai da enfermeira feita refém também foi ao local. Segundo ele, a filha retornou ao trabalho nesta terça, após as férias.

ReclamaçõesUma barreira foi montada no início do complexo para impedir o acesso de familiares. Eles chegaram a confrontar os policiais que estavam impedindo a passagem.

Além da preocupação com os internos e da busca por notícias, os parentes de detentos reclamaram.
A servente de pedreiro, Ruberli Cardoso, esperava por informações sobre o irmão de 26 anos preso por assalto.

“Não chega notícia. Não sei se ele está bem ou mal, morto ou vivo.

A gente precisa saber”, disse ao G1 pouco tempo depois de alguns detentos subirem no telhado da unidade. Chamas também puderam ser vistas dentro do CDPM.

Familiares questionaram falta de notícias e reclamaram das condições do CDPM (Foto: Jamile Alves/G1 AM)
A aposentada Ivanete Silva, de 52 anos, tem um filho preso. Ela alega que a comida servida na unidade é imprópria para o consumo.

  “As condições em que eles vivem são terríveis. Meu filho ficou doente e eu mesmo tive que pagar para fazer os exames dele.

Eles não comem direito. A comida vem pouquinha e é podre.

Meu filho está com fome. Se eu não trouxer lanche pra cá eles não comem”, afirma a aposentada.

RebeliãoO comandante da Polícia Militar, James Frota, disse que os presos estão com pelo menos dois reféns, um funcionário da unidade e uma enfermeira. Presidente da Comissão de defesa dos Direitos Humanos da OAB-AM, Epitácio Almeida, prestou esclarecimentos aos familiares dos presos (Foto: Jamile Alves/G1 AM)
“Eles [detentos] querem ser transferidos para outra unidade prisional.

Nós estamos conversando isso com o diretor do presídio. Eles não falaram o motivo que queriam ser transferidos.

Cercamos a área estamos negociando”, disse o comandante ao G1.
Corpo de Bombeiros,  Serviço Móvel de Urgência (Samu) e demais órgãos do Sistema de Segurança foram acionados e enviaram equipes ao local da rebelião.

Parente de detento chora enquanto aguardava notícias do lado de fora do CDPM (Foto: Jamile Alves/G1 AM)
Policiais do Comando de Operações Especiais (COE), Grupamento de Choque e Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) também foram enviados para o CDPM. Túnel utilizado na fuga dos presos(Foto: Thiago Herculado/Rede Amazônica)FugaA rebelião ocorreu um dia após a fuga em massa de 39 internos da unidade prisional por um túnel com cerca de 11 metros de extensão e 50 centímetro de diâmetro.

A fuga ocorreu pela madrugada e começo da manhã. Objetos como baldes, cordas e estoques – armas artesanais, além de ventiladores utilizados para cavar o túnel foram apreendidos após a fuga.

A Polícia Militar (PM) montou, na segunda-feira (2), uma operação especial para tentar fazer a captura de 39 presos que fugiram do CDPM. Imagens dos fugitivos foram divulgadas pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).

.