Suspeitos foram levados ao IML de Londrina para fazer exames de corpo de delito (Foto: Reprodução RPC)As sete pessoas presas, entre elas seis policiais militares, durante uma operação deflagrada contra suspeitos de cometer uma série de assassinatos em Londrina, no norte do estado, em janeiro deste ano, realizam exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML) nesta sexta-feira (13).
O procedimento, que é padrão após a prisão, começou por volta das 11h50. Os presos foram levados ao prédio do IML em um micro-ônibus da Polícia Militar.

O veículo parou nos fundos do local e os suspeitos chegaram encapuzados. Os seis policiais estão detidos no 5°Batalhão da Polícia Militar e um homem que foi preso em flagrante por porte ilegal de armas, e que não é policial, está detido no 4ª Distrito da Polícia Civil.

As prisões temporárias têm prazo de 30 dias e podem ser prorrogadas pelo mesmo período ou convertida em preventiva, que é quando o investigado fica preso à disposição da Justiça sem prazo pré-determinado.
Ao todo, foram cumpridos sete mandados de prisão temporária, 25 de busca e apreensão e seis de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento.

Um dos mandados de busca foi cumprido na casa do capitão Ricardo Eguédis.
O G1 tenta falar com a defesa dos presos, mas nenhum dos advogados foi encontrado.

O Comando da Polícia informou que só vai se manifestar sobre o assunto à tarde.
.