Professores lotaram salão e muitos tiveram de acompanhar do lado de fora (Foto: Alysson Maruyama/TV Morena)
Os professores de Campo Grande vão paralisar no próximo dia 19 de abril, uma terça-feira, e fazer mobilização contra o reajuste proposto pelo prefeito Alcides Bernal (PP) de 2,79%. A categoria também decidiu nesta segunda-feira (11) aguardar até o dia mais 14 dias para definir sobre greve.
A prefeitura diz que está negociando com os professores e também com todos os outros servidores.

As negociações que vão desde benefícios específicos para cada categoria, até o índice de reajuste salarial. O município ainda aguarda uma resposta do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) para saber se poderá dar um índice de reajuste maior do que 2,79%.

Em ano eleitoral, a legislação proíbe aumentos maiores que a inflação do ano.
Os professores da Rede Municipal de Ensino (Reme) pede reajuste de 11,36%, o mesmo concedido ao piso nacional em janeiro de 2016, e 13,01% referente ao aumento dado pelo governo federal à categoria em 2015, que não foi repassado pela prefeitura.

A categoria, inclusive, cobra na Justiça o cumprimento da lei sobre o piso nacional. O processo foi suspenso por 40 dias e o prazo termina no dia 25 de abril.

Até lá, o Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais em Educação (ACP) vai tentar uma reunião com Bernal.
Segundo o presidente da ACP Lucílio Souza Nobre, a tentativa de diálogo é constante com o Executivo.

“Estamos tentando a todo momento conversar com o prefeito. Se ele não der uma resposta até o dia 25, no dia 26 vamos fazer uma assembleia para deliberar sobre a greve”, afirmou.

.