Protestantes ateiam fogo em pneus em avenida de Teresina (Foto: Ellyo Texeira/G1)
Um protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff fechou o cruzamento da Avenida Frei Serafim com a Rua Coelho de Resende, no Centro de Teresina. O ato foi organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e conta com a participação de sindicatos e movimentos sociais. Com o apoio de um trio elétrico, os manifestantes gritavam palavras de apoio a presidente, soltavam fogos de artifício e faziam discursos afirmando que “não vai ter golpe”.

Segundo os organizadores, mais de mil pessoas participaram do ato. A Polícia Militar informou que não daria estimativa.

O protesto teve concentração na Praça Rio Branco, depois saiu em passeata pelas ruas do Centro da capital até chegar a Avenida Frei Serafim. Niede Carvalho, coordenadora da Frente BrasilPopular (Foto: Ellyo Texeira/G1)
“Estou na rua para lutar pela democracia.

A presidente Dilma foi eleita para exercer o seu mandato e só o povo poderá tirá-la. O que está acontecendo é um golpe.

Sou contra o impeachment e independentemente do resultado (se a presidente será afastada ou não), eu acredito na Dilma”, disse a aposentada Maria do Rosário Silva. Por conta da manifestação, o trânsito na Avenida Frei Serafim ficou interrompido e os ônibus fizeram uma espécie de corredor, aguardando o final do protesto para voltarem a circular.

Alguns motoristas de automóveis não esperaram e passaram por cima do canteiro central para fugir do congestionamento. Para Neide Carvalho, coordenadora da Frente Brasil Popular, a vontade da maioria do povo brasileiro, que votou pela eleição de Dilma, não está sendo respeitada.

“A presidente foi eleita com mais de 54 milhões de votos. Isso significa que foi escolhida pela maioria dos brasileiros.

Ela sendo derrubada ou não, serão 180 dias de luta, de manifestações contra o novo governo”, afirmou. Abdoral Ferreira dos Santos, representante do sindicato dos comerciários, afirmou que todas deveriam estar na rua apoiando a presidente e se levantando contra o “golpe”.

“Essa é uma manifestação nacional que tem o objetivo de mostrar a indignação do povo com a atual política brasileira. Se todos que tivessem o sentimento de indignação fossem as ruas, isso não estaria acontecendo com o nosso país”, opinou.

Pessoas protestam contra impeachment da presidente Dilma em Teresina (Foto: Ellyo Texeira/G1)Protestos no PiauíNa manhã desta terça-feira (10), pelo menos três trechos de rodovias federais que cortam o Piauí foram bloqueados por manifestantes. Os protestos foram registrados nas BRs 316 e 343 nas cidades de Teresina, Amarante e Picos, as duas últimas cidades no Sul do estado.

Os atos são organizados por movimentos sociais que são contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
.