Prisão de jovem aconteceu após 6h de operação em mata fechada (Foto: Rede Amazônica/ Reprodução)
Quatro homens e duas mulheres, suspeitos de fazerem parte de uma quadrilha que assaltava residências na zona rural de Ariquemes (RO), foram presos pela Polícia Militar (PM) durante uma operação, iniciada na segunda-feira (9), em uma região de mata fechada. Segundo a PM, o grupo era conhecido por torturar as vítimas nos roubos. Após ser preso, um dos integrantes do grupo, de 18 anos, confessou os assaltos e ainda o assassinato da namorada, de 16 anos.

A confissão deixou o policial Thiago Vinicius chocado. “Ele se gabava dos crimes cometidos.

Ele é frio e tinha satisfação de ser procurado pela polícia”, diz.
Conforme a PM, os roubos praticados pelo grupo eram feitos próximos do Distrito Bom Futuro, na zona rural.

Na operação, também foram apreendidas armas de fogo, veículos, dinheiro e vários objetos que podem ter sido subtraídos nos roubos.
De acordo com a PM, a quadrilha praticou diversos roubos na região de Ariquemes e tinha como característica o uso da violência nas ações.

“Eles agrediam as vítimas, torturavam e amarravam-nas durante os roubos. Por fim, o grupo ainda agredia e executava alguns animais existentes nas propriedades”, relatou o policial Thiago Vinicius.

PM de Ariquemes também apreendeu motos com o grupo (Foto: Rede Amazônica/ Reprodução)
Segundo a PM, foram mais de seis horas de trabalho para conseguir localizar os suspeitos em um bar da Vila da Serraria, no Garimpo Massangana, que seria o ponto de receptação para os objetos roubados. “O local é de difícil acesso e ao redor existe muita mata fechada.

Permanecemos escondidos no meio da mata por mais de cinco horas para evitar que eles fugissem. Ao amanhecer, adentramos no local.

Eles tentaram fugir e pegar as armas para revidar, mas logo em seguida todos foram imobilizados e capturados”, comentou o policial.
Ao serem presos, um dos integrantes, de 18 anos, assumiu ter participado dos diversos roubos na região e chegou a detalhar algumas das ações praticadas.

“Ele se gabava dos inúmeros roubos cometidos. A frieza que ele demonstrou e a satisfação por estar sendo procurado pela polícia ficaram notórias.

O que nós deparamos foi realmente bastante complicado”, finaliza o militar. Casa onde namorada do suspeito foi assassinada,em abril (Foto: Balanço Notícias/Reprodução)
Na delegacia de Ariquemes, o suspeito confessou ainda que, no mês de abril, atirou na namorada de 16 anos.

Segundo a polícia, Josiane Oliveira dos Santos foi morta com um tiro na cabeça, em Ariquemes.
Para a PM, a quadrilha presa não tem ligação ao grupo criminoso que realizou ataques aos ônibus escolares no Assentamento Terra Prometidas, mas que o patrulhamento na localidade continua e não possui previsão de término.

Todos os suspeitos foram encaminhados até a Delegacia de Polícia Civil de Ariquemes. Após prestarem esclarecimentos ao delegado de plantão, foram encaminhados até a Casa de Detenção de Ariquemes.

PrisõesEntre os presos estava um homem de 59 anos, que era o proprietário do bar onde os integrantes do grupo iriam comemorar os roubos praticados, além de ser o ponto de receptação dos objetos roubados. Duas mulheres, sendo uma de 18 anos e outra de 23 anos, que trabalhavam no estabelecimento também foram presas, suspeitas de participar na receptação dos produtos subtraídos.

Armas que estavam com o grupo foram apreendidas pela PM (Foto: Rede Amazônica/ Reprodução)
Um homem de 23 anos, que estava com o grupo no estabelecimento também preso. O outro integrante também possui um mandado de prisão a ser cumprido pelo crime de roubo.

Um adolescente de 17 anos foi apreendido com o grupo e depois encaminhado ao Centro Sócio Educativo de Ariquemes (Cesea).
As armas que estavam com o grupo foram apreendidas e levadas para a Delegacia de Polícia Civil de Ariquemes.

.