Semed diz que salas de aulas estão pintadas e receberão luminárias (Foto: Fabiana Figueiredo/G1)
Pais de alunos da escola municipal Pequeno Príncipe, no Centro de Macapá, reclamam do atraso no início das aulas ocasionado por uma obra realizada desde fevereiro na instituição. A Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou que são reparos na rede elétrica e na estrutura física. O prédio deve ser entregue nesta terça-feira (10), e o planejamento é que as aulas iniciem na quarta-feira (11).

O autônomo Agenilton Pereira, de 40 anos, lembra que ao matricular a filha de 4 anos no início do ano, a escola apresentava problemas na estrutura, indicando a necessidade de reforma. Agenilton Pereira, pai de aluna de 4 anos(Foto: Fabiana Figueiredo/G1)
“A minha filha me cobra desde o ano passado para estudar.

As aulas iam começar em março, cheguei aqui e fui informado que começariam uma reforma, e que não tinha previsão de retorno. Hoje são 10 de maio e até agora nada.

A secretaria quer que eles venham estudar num lugar desse, sem condições de receber até mesmo o funcionário”, reclamou o autônomo.
A mãe de outra aluna de 4 anos, a professora Carina Viana, de 37 anos, diz que sempre vai à escola em busca de informações sobre o início das aulas, mas não tem retorno.

As aulas deveriam iniciar em março.
“A escola está inacabada, ainda passando por reforma e não tem previsão de começar as aulas.

O caso é revoltante. Já estamos quase no término do primeiro semestre e as crianças ainda nem começaram o ano.

Eles precisam estudar dentro de sala de aula. A escola não dá nenhum posicionamento”, contou Carina.

Salas de aulas estão sem luminárias(Foto: Fabiana Figueiredo/G1)
Problemas hidráulicos, estruturais e elétricos eram constantes em 2015. A direção da escola informou que aguarda a empresa concluir os reparos dentro das salas de aula para iniciar o ano letivo de 2016.

“A nossa escola tem 43 anos, é uma senhora escola e nós precisávamos dessa manutenção. Nós já reunimos com a comunidade para falar do início das aulas.

A empresa ficou de entregar boa parte dessa manutenção no sábado, mas eles não entregaram. Nós estamos aqui com material pronto e esperando o término dessa manutenção”, disse a diretora Kátia Sacramento.

A escola atende 430 alunos, com idade entre 4 e 5 anos, que estudam no 1º e 2º período. De acordo com a Semed, o município é responsável pela instituição há 11 anos, mas o prédio do Pequeno Príncipe ainda não pertence à administração municipal, impedindo a realização de reforma e possibilitando apenas pequenos reparos.

Mauro Branch, secretário adjunto da Semed(Foto: Fabiana Figueiredo/G1)
Em agosto a secretaria iniciou um processo para substituição da rede elétrica na instituição. Mas, no decorrer dos reparos, que iniciaram em fevereiro, foram detectados problemas estruturais no forro do prédio.

De acordo com o secretário adjunto de Educação, Mauro Branch, a empresa deixou de cumprir algumas etapas da manutenção e chegou a ficar um período sem prestar serviços, que foram retomados na quinta-feira (5). O planejamento da Semed é que as aulas iniciem na quarta-feira (11), assim que a empresa entregue as salas de aula prontas.

“De uma simples revisão elétrica, surgiram outras pequenas e grandes situações que mereciam atenção. Mas eu lhe garanto que as salas de aula, a cozinha, estão em condições de receber os alunos adequadamente, em segurança, para começar as aulas.

A pintura externa, os arremates, infelizmente, nós vamos ter que fazer em paralelo com as aulas. A empresa está lá, e se a empresa não cumprir o prazo hoje, eu vou usar o instrumento legal que me cabe.

Vou acioná-la judicialmente”, acrescentou Branch. Banheiro da escola Pequeno Príncipe (Foto: Fabiana Figueiredo/G1)Aulas do ano letivo 2016 ainda não iniciaram (Foto: Fabiana Figueiredo/G1)
.