Sindicato encontrou infiltração na delegacia deDelmiro. (Foto: Divulgação/ Sindpol)
O Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) solicitou à Procuradoria de Justiça de Delmiro Gouveia, no Sertão de Alagoas, a  interdição da Delegacia Regional do município, após constatar que a unidade apresenta condições estruturais precárias.
Segundo o sindicato, o local, que funciona como cadeia pública e está superlotada com 65 presos, não foi projetada para ser utilizada dessa forma.

A inspeção na delegacia foi realizada na terça-feira (12). No local, uma das celas abriga até 20 presos, muitos deles doentes, além de lixo, ratos, escorpiões e outras pragas.

Os detentos também reclamam da demora da Justiça em analisar a situação deles. Alguns estão ali há mais de um ano.

Outros, de outros estados, não sabem porque permanecem presos na delegacia.
Além disso, o sindicato também encontrou entulhos, diversos materiais apreendidos, como carros e motos, que facilitam a proliferação de pragas e o acúmulo de lixo.

Os banheiros e a rede de esgoto estão entupidos, e há infiltração e mofo nas paredes e no teto. Ainda foi apurado que falta alimentação para os detentos.

Além disso, poucos policiais têm que trabalhar com mobília que não atende às necessidades deles. A delegacia também não possui extintores de incêndio e projeto de saída de emergência.

Presos superlotam celas da delegacia, que não foiconstruída para ser utilizada como cadeia pública,diz Sindpol. (Foto: Divulgação/ Sindpol)
“Um outro problema é o desvio de função dos policiais civis, pois a custódia de presos é uma competência do sistema prisional.

A função constitucional dos policiais civis é a investigação de crimes”, afirma o diretor jurídico do Sindpol, José Carlos Fernandes Neto.
O sindicato pediu a interdição da delegacia à Procuradoria do Município, e medidas judiciais cabíveis à Comarca de Justiça da cidade.

Um pedido de vistoria foi protocolado junto ao Corpo de Bombeiros da região, à Vigilância Sanitária e a prefeitura de Delmiro Gouveia. Outras delegaciasAs delegacias de Campo Grande, Campo Alegre, Batalha e Santana do Ipanema também foram apontadas pelo Sindpol como inadequadas para funcionamento.

No caso de Batalha, há 9 presos divididos em duas celas. Em Santana, os 28 presos da delegacia também enfrentam situações precárias e insalubres.

A unidade, afirma o Sindpol, sofre com carência de efetivo, infiltrações e entupimentos na rede hidráulica.
O sindicato diz também que as delegacias de Pariconha e Água Branca estão sem viaturas.

Todas as unidades vistoriadas pelo Sindpol estão trabalhando com cota reduzida de combustível.
.