Após confirmar pagamento de serviço, aplicativo impossibilitou nova chamada alegando corrida não paga (Foto: Reprodução)
O primeiro dia de operações do aplicativo Uber em Fortaleza agradou pela economia na viagem, mas registrou problemas técnicos na efetivação do pagamento. O G1 testou o serviço de transporte particular na tarde desta sexta-feira (29) e constatou uma economia de 43% no percurso, em comparação com o táxi convencional.
Após o pagamento da corrida pelo aplicativo, no entanto, o Uber não permitiu solicitar um outro veículo, informando que havia um problema no processamento do pagamento.

O Uber entrou em operação na capital cearense oficialmente às 14h. O repórter do G1 solicitou uma corrida por meio do Uber com destino a um shopping da capital.

O veículo chegou ao local de partida dois minutos após a solicitação do pedido, e a viagem demorou em torno de 13 minutos, com valor final de R$ 9,14.
No retorno, porém, o aplicativo apresentou uma mensagem indicando que “houve um problema durante o processamento da forma de pagamento”, mesmo o motorista confirmando o pagamento.

Deste modo, não foi possível seguir viagem com o Uber e foi necessário solicitar um táxi.
O G1 tentou entrar em contato com o Uber para saber as causas do problema, mas as ligações não foram atendidas.

ComparaçãoA viagem pelo Uber, que demorou 13 minutos, custou R$ 9,14. Já pelo táxi convencional o mesmo percurso foi realizado pelo valor de R$ 16, em 11 minutos de duração.

A economia é devido ao custo menor na tarifa base e no quilômetro percorrido.
No serviço ofertado pelo Uber, a tarifa base é de R$ 2,50.

O preço por quilômetro percorrido é de R$ 1,20, enquanto o preço por minuto é R$ 0,20. O valor mínimo da corrida é fixado em R$ 6.

Já os taxistas de Fortaleza cobram partida de R$ 4,86 mais o valor da bandeira 1 (que custa R$ 2,38 por km rodado) ou bandeira 2 (R$ 3,57). O valor para hora parada é de R$ 23,80 (R$ 0,40 por minuto).

Em Fortaleza, o Uber opera na modalidade X, que é a categoria com as tarifas mais baixas, carros com quatro portas, ar-condicionado e fabricados a partir de 2008. O motorista ainda ofertou água e chocolate para os passageiros.

O motorista Uber informou que até às 16h desta sexta havia realizado duas corridas. O profissional é natural de Belo Horizonte-MG e afirmou que veio ao Ceará para trabalhar com serviço de transporte particular.

O mineiro aprovou a cidade de Fortaleza e disse que o acesso a determinados locais é fácil, em comparação com sua cidade natal.
“Só achei algumas ruas do Centro mais estreitas que as de Belo Horizonte, mas o acesso é mais simples.

Pretendo continuar trabalhando aqui (Fortaleza), acho que o Uber vai agradar as pessoas”, comentou o motorista.
Já o taxista convencional disse que ser contrário ao aplicativo.

“Acho que o Uber é mais um serviço para os taxistas dividirem os lucros, pois já tem os táxis piratas (veículos não regulamentados). Os taxistas pagam muito impostos e isso pode reduzir as corridas e assim prejudicar muitos trabalhadores”, disse o taxista.

PolêmicasLançada nos Estados Unidos em 2010, a Uber atualmente está presente em 70 países e mais de 400 cidades. Fortaleza é a 11ª cidade no Brasil e a 3ª no Nordeste a receber o aplicativo.

Assim como em outras cidades do país, os taxistas de Fortaleza são contrários à atuação do transporte urbano por meio da plataforma Uber na capital cearense e pretendem barrar o serviço na capital cearense. O presidente do sindicato dos taxistas, Vicente de Paula Oliveira, disse ao G1 que o aplicativo fere a imagem do taxista.

O presidente do sindicato ressaltou que foi enviado um projeto de lei para o prefeito Roberto Claudio solicitando que o serviço seja barrado em Fortaleza.
A Prefeitura de Fortaleza disse ao G1 que “essa questão [da instalação do Uber] não foi objeto de nenhuma deliberação oficial pela administração municipal”.

  A prefeitura disse, ainda, que não existe, por parte do executivo municipal, nenhuma ação no sentido de barrar o serviço de transporte realizado por meio do aplicativo na capital cearense.
.