Soldados sírios inspecionam carro-bomba que explodiu em Sayeda Zeinab, distrito ao sul de Damasco, nesta segunda-feira (25) (Foto: Sana via Reuters )
Uma aliança de grupos armados sírios que combatem o Estado Islâmico disse nesta segunda-feira (25) que dá as boas-vindas aos planos dos Estados Unidos de enviar até 250 soldados adicionais para a Síria, mas clamou por um apoio maior, incluindo o fornecimento de mísseis teleguiados antitanque.
Formada em outubro, a aliança Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla em inglês), que inclui a poderosa milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo), é a principal parceira síria dos EUA e de seus aliados na luta contra o grupo radical Estado Islâmico.
“Todo e qualquer apoio que ofereçam é positivo, mas esperamos que haja um apoio maior”, disse o porta-voz do SDF, Talal Silo.

O presidente norte-americano, Barack Obama, confirmou nesta segunda-feira que aprovou o envio de 250 agentes a mais para o conflito sírio, entre eles forças especiais, que irão treinar e auxiliar as forças locais que combatem os militantes radicais.
Silo disse que a SDF ainda não foi informada da decisão dos EUA de mandar mais militares para reforçarem as 50 pessoas já no país.

Ele descreveu a parceria entre Washington e a SDF como “estratégica”, acrescentando que qualquer ajuda extra é bem-vinda.
“Até agora só fomos supridos de munição, e estávamos torcendo para ser supridos de equipamento militar, isso é algo que nos prometeram”, afirmou.

AtentadoUm carro-bomba explodiu nesta segunda-feira perto de um conhecido mausoléu xiita de Sayeda Zeinab, ao sul de Damasco. O número de mortos ainda é incerto.

Pelo menos sete pessoas morreram.
.

Fonte: G1