Ministro das Relações Exteriores Ibrahim al-Jaafari (à direita) encontra secretário geral das Nações Unidas Ban Ki-moon (à esquerda) neste sábado (26). (Foto: AFP)
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, chegou neste sábado (26) a Badgá para realizar uma visita oficial com objetivo de analisar com o governo do país a luta contra o terrorismo e as reformas políticas em andamento.
Segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Iraque, o chanceler do país, Ibrahim al Yaafari, realizou um encontro a portas fechadas com Ban ainda no aeroporto de Badgá.

Também participaram da reunião os presidentes do Banco Mundial, Jim Yong Kim, e do Banco Islâmico de Desenvolvimento, Ahmad Mohamad Ali, que acompanham o secretário-geral da ONU na viagem.
Os três devem realizar outra reunião com o presidente do Iraque, Fouad Massoum, com o primeiro-ministro, Haidar al Abadi, e com o presidente do parlamento, Salim al Jabouri.

Eles também irão participar de uma sessão da Assembleia Legislativa.
Entre os temas que serão tratados durante a visita estão, além da luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI), a crise econômica e política atravessada pelo país.

O importante clérigo xiita iraquiano Moqtada al Sadr deu nesta sexta-feira ao primeiro-ministro um prazo de 24 horas para anunciar reformas governamentais “satisfatórias e lógicas”. Caso contrário, haverá uma escalada nos protestos do país.

A visita de Ban a Badgá coincide com o início da ofensiva do Exército do Iraque para expulsar o EI da província de Ninawa, cuja capital Mossul é o principal reduto dos jihadistas no paísAtentado ao sul de BagdáNesta sexta-feira, um atentado contra um estádio de futebol ao sul de Bagdá, reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), deixou mais de 30 mortos, segundo os últimos dados divulgados neste sábado (26) por fontes médicas às agências Efe e France Presse.Entre as vítimas fatais está o prefeito da cidade de Alexandria.

(Foto: Reuters)
Entre as vítimas fatais está o prefeito da cidade de Alexandria, onde fica o estádio alvo do atentado, Ahmed al Jafayi. Já entre os 95 feridos há comandantes da milícia xiita Multidão Popular e oficiais dos serviços de segurança do Iraque.

O terrorista se infiltrou entre os torcedores e detonou o colete de explosivos que carregava no interior das arquibancadas durante uma partida entre equipes locais.Família das vítimas chegam ao local do atentado.

(Foto: AFP)
A agência “Amaq”, vinculada ao EI, anunciou que o grupo tinha realizado “uma operação de martírio com um colete de explosivos contra uma concentração de milicianos em Alexandria”.
Com o termo “milicianos” a “Amaq” se refere a combatentes xiitas que lutam contra o EI, como os citados membros da Multidão Popular.

Segundo o comunicado da agência do grupo terrorista, a explosão deixou pelo menos 65 mortos e dezenas de feridos.
Alexandria é uma cidade da província de Babel, onde no último dia 6 de março ocorreu outro ataque suicida, cuja autoria também foi assumida pelo EI.

Pelo menos 50 pessoas morreram e 70 ficaram feridas nesse atentado contra um posto de controle policial na cidade de Hilla, o mais sangrento dos últimos anos na província de Babel.
O novo atentado acontece depois que o exército iraquiano ter iniciado a Operação Fatah para libertar a província de Ninawa, cuja capital Mossul é o principal bastião do EI no Iraque.

.

Fonte: G1