Foto de Hassan Haci para a exposição ‘Love Letters from Brazil to Iraq’ (Foto: Hassan Haci/Divulgação)
Crianças brincando. Adultos trabalhando. Belas paisagens e construções.

Cenas como essas não costumam ser associadas ao Iraque, que no noticiário internacional ficou notório por episódios relacionados à guerra, a grupos terroristas ou à instabilidade política.
Mas é esse lado menos conhecido do país que uma exposição fotográfica quer mostrar aos brasileiros.

Inaugurada na quinta-feira (12), a mostra traz imagens de 15 fotógrafos iraquianos, selecionadas pela ONG Larsa for Human Rights.Foto do iraquiano Qassim Mohammed para a exposição Love Letters from Brazil to Iraq (Foto: Qassim Mohammed/Divulgação)
A exposição, chamada “Love Letter from Brazil to Iraq” (carta de amor do Brasil para o Iraque), também inclui imagens de profissionais brasileiros, na mesma toada de privilegiar cenas cotidianas e fugir de temas mais controversos.

O brasileiro Renato Negrão, curador da exposição(Foto: Flávia Mantovani/G1)
“A ideia é trocar mensagens positivas entre seres humanos de culturas diferentes”, explica Renato Negrão, curador brasileiro da mostra. “Queríamos mostrar que, apesar da guerra e dos conflitos, a vida ainda acontece por lá”, completa.

A exposição também passou por Erbil, no Iraque, e Amã, na Jordânia. Em São Paulo, as 72 fotos estão dispostas em duplas, com imagens de profissionais brasileiros ao lado das fotos dos iraquianos.

Negrão deu um curso de formação em fotografia para iraquianos refugiados na Jordânia e acompanhou a reação às fotos brasileiras no país.
“Eles também têm ideias preconcebidas sobre o Brasil.

Associam o país com futebol, Amazônia, natureza. Ficaram impressionados ao ver fotos dos prédios de São Paulo, por exemplo”, conta.

Crianças brincam em foto de Mothna Al Hadethy para a exposição Love Letters from Brazil to Iraq (Foto: Mothna Al Hadethy/Divulgação)Exposição “Love Letter from Brazil to Iraq”Panamericana Escola de Arte e Design – Avenida Angélica, 1900Quando: de 12 de maio a 12 de junhoHorário: de segunda a sexta, das 9h às 20h, e sábado, das 9h às 12h. Não abre aosdomingos e feriados.

Entrada gratuitaIraquiano é retratado em foto de Abass Al Iraqi (Foto: Abass Al Iraqi/Divulgação)Barco em foto de Kudim Yasser (Foto: Kudim Yasser/Divulgação)
.

Fonte: G1