Combinação de fotos mostra os candidatos peruanos à presidência Keiko Fujimori e Pedro Pablo Kuczynski (Foto: Mariana Bazo/Reuters e Arquivo/Reuters)
Keiko Fujimori, filha de Alberto Fujimori, que governou o país entre 1990 e 2000, e Pedro Pablo Kuzcynski disputarão no dia 5 de junho o segundo turno da eleição presidencial do Peru, em um duelo entre a direita e a centro-direita.
Keiko Fujimori, de 40 anos, foi a mais votada na eleição de domingo. Com 40% das urnas apuradas, ela aparece com 39,18% dos votos, contra 24,25% de Kuzcynski e 16,57% da revelação da disputa, a candidata da Frente Ampla (esquerda) Verónika Mendoza.

O partido de Fujimori, Força Popular, praticamente dobrou sua presença no Congresso unicameral, passando de 34 a 65 cadeiras, metade da Câmara, contra 28 do partido Peru pela Mudança de Kuzcynski e 20 da Frente Ampla.
Mas a vitória de Keiko Fujimori no segundo turno não está garantida, alertam os analistas.

Sobre Keiko Fujimori, que aos 19 anos atuou como primeira-dama após a separação dos pais, ainda pesa a herança do pai, que cumpre pena de prisão por crimes contra a humanidade e corrupção em seus 10 anos de governo.
“Kuzcynski receberá muitos votos antifujimoristas”, afirmou o diretor do instituto de pesquisas Vox Populi, Luis Benavente, que acredita que os votos de Mendoza e do quarto colocado Alfredo Barnechea (7,69%), assim como parte dos demais candidatos (10 no total), devem seguir para o ‘gringo’, que aos 77 anos pode ocupar um dos poucos cargos que faltam em seu currículo: a presidência.

“Teremos um segundo turno muito polarizado”, prevê Benavente.
Em sua primeira mensagem após a votação, Keiko Fujimori, que em 2011 foi derrotada no segundo turno pelo atual presidente Ollanta Humala, falou de conciliação e de criar pontes com o eleitorado opositor.

“Este mapa que se desenhou nos mostra claramente que o Peru quer a reconciliação, que não quer mais briga. Temos que voltar a pisar no acelerador do crescimento para que chegue sobretudo às populações mais afastadas”, disse a candidata, que tem duas filhas.

Candidata à presidência do Peru pelo partido Fuerza Popular, Keiko Fujimori, acena para eleitores no domingo (10). Ela irá para o segundo após conseguir 40% dos votos no primeiro turno da eleição (Foto: Luka Gonzales / AFP)
O irmão mais novo de Keiko, Kenji Fujimori, que não esconde as ambições presidenciais, foi o candidato ao Congresso mais votado.

Durante o governo do pai, ele utilizava helicópteros militares para passear com os amigos.
A eleição de domingo representou o renascimento da esquerda, que estava praticamente relegada a um reduto desde a década de 1980, quando as guerrilhas comunistas, com o Sendero Luminoso à frente, espalharam o terror e o caos no Peru.

O governo linha dura de Alberto Fujimori conseguiu acabar com os grupos.
O voto do medo, estimulado pela campanha de Kuzcynski e os meios de comunicação, teve um papel importante para a derrota de Mendoza, que aos 35 anos se torna a líder indiscutível da esquerda.

Para alguns analistas, a votação de domingo representa o fim de uma era política, como demonstram os fracos resultados dos ex-presidente Alan García e Alejandro Toledo, muito vinculados ao grande mal da política peruana: a corrupção.PromessasA filha do ex-presidente, que está preso, promete implementar uma agenda de investimento público que inclusive usará os fundos de estabilização fiscal para realizar projetos de infraestrutura que conectem o país, como a construção de estradas, e levar serviços básicos a áreas pobres.

Alberto Fujimori, de 75 anos, cumpre uma pena de 25 anos por corrupção e crimes contra a humanidade perpetrados durante seus dez polêmicos anos de governo (1990-2000). A família do patriarca continua marcando a vida política do país.

Durante este período, em que declarou uma guerra implacável ao Sendero Luminoso e com a ajuda de seu braço direito, Vladimiro Montesinos, o país viu-se tomado por todo tipo de violações dos direitos humanos, subornos, chantagens e corrupção. Como na melhor das novelas mexicanas, não faltaram nepotismo, traições, amores e intrigas.

Kuczynski, partidário do livre comércio, promete reduzir o imposto geral das vendas de 18% para 15% para potencializar a formação do sistema de contribuição das pequenas empresas e beneficiar os consumidores com preços mais baixos.
.

Fonte: G1