Três funcionários foram formalmente acusados, nesta quarta-feira (20), pela falsificação dos resultados de laboratório e ocultamento de provas no marco do escândalo pela água contaminada com chumbo que afeta a cidade americana de Flint, anunciou o promotor-geral de Michigan.
Com o objetivo de economizar, o governador Rick Snyder havia decidido, em abril de 2014, abastecer Flint com água proveniente de um rio local, ácida e contaminada. A água, muito corrosiva, deteriorou os canos de chumbo, expondo os habitantes ao envenenamento e potenciais pertubações no desenvolvimento psicomotor das crianças, entre outras doenças.

Michael Glasgow, supervisor do laboratório e da qualidade da água de Flint, assim como Stephen Busch e Michael Prysby, funcionários do departamento de qualidade ambiental do Estado de Michigan, foram processados por 2, 5 e 6 acusações pelo juiz do tribunal de Genesse, explicou o promotor-geral Bill Schuette.
Os acusados teriam modificado os resultados das análises de água com o objetivo de baixar a porcentagem de contaminação com chumbo, que eles sabiam que seria superior às normas, “pondo em perigo a saúde de famílias e cidadãos de Flint”, explicou Schuette.

Em imagem de arquivo, Michael Glasgow, supervisor de qualidade da água de laboratório de Flint (Foto: ake May/The Flint Journal-MLive.com via AP)
.

Fonte: G1