O governador de Virginia, Terry McAuliffe, fala sobre sua objeção ao uso da cadeira elétrica para execuções no estado em Richmond, na segunda (11) (Foto: Bob Brown/Richmond Times-Dispatch via AP)
O governador do estado da Virgínia, Terry McAuliffe, disse nesta segunda-feira (11) que se negaria a aprovar uma lei que autorize que sejam realizadas execuções com cadeira elétrica em caso de falta das substâncias usadas para as injeções letais.
A medida, adotada pelo corpo legislativo do leste do estado, busca solucionar a escassez geral das drogas utilizadas nas execuções, que afeta todos os estados dos Estados Unidos que praticam a pena de morte, após a proibição na Europa de exportá-las.
“Nossos cidadãos compartilham de minhas preocupações e não querem se ver obrigados a usar este terrível método de castigo”, expressou em um comunicado McAuliffe, que, no entanto, reafirmou seu apoio à pena de morte.

As leis do estado da Virgínia permitem aos condenados escolherem entre uma execução com cadeira elétrica e uma injeção letal.
Em janeiro, o departamento de Correção declarou que não tinha a quantidade suficiente da droga necessária para realizar uma execução por injeção letal prevista para março.

.

Fonte: G1