Restaurantes usavam carne de contrabando importada da América do Sul (Foto: Reprodução/Twitter/Israelolizer)
Grandes restaurantes israelenses serviam há meses carne de contrabando importada da América do Sul, recondicionada com falsos certificados veterinários e falsas datas de validade através de uma rede israelense-palestina desmantelada nesta semana, indicou a polícia israelense.
Nove israelenses e palestinos suspeitos de formar parte de uma rede de tráfico de carne foram detidos na segunda-feira após vários meses de investigação, segundo um comunicado consultado nesta terça-feira.
Segundo a investigação, um importador palestino comprava na América Latina carne destinada oficialmente aos territórios palestinos.

A mercadoria congelada chegava ao porto de Haifa (norte de Israel) e era armazenada em A Ram, na Cisjordânia ocupada.
Burlando as regras sanitárias, a carne passava para o lado israelense em caminhões de fundo duplo que permitiam passar pelos ferrenhos controles israelenses.

A carne era recondicionada em armazéns da zona industrial de Atarot, perto de Jerusalém, e ali voltava a ser embalada com falsos certificados veterinários e marca kosher, enquanto as datas de validade do produto eram modificadas.
A carne era vendida aos restaurantes mais famosos do país, especialmente em Tel Aviv, capital econômica e cultural de Israel.

Questionada pela AFP, uma porta-voz policial se negou a revelar os nomes dos restaurantes envolvidos. A polícia também não explicou se os estabelecimentos estavam ou não conscientes da fraude e indicou que restaurantes, comerciantes e clientes serão interrogados.

Além das nove detenções, a polícia apreendeu 30 toneladas de carne, dezenas de milhares de shekels e veículos de contrabando. Também são esperadas novas detenções.

.

Fonte: G1