Jornalista somali Hassan Hanafi, ligado aos insurgentes islamitas radicais shebab, foi executado nesta segunda-feira (11) por ter organizado o assassinato de cinco de seus colegas entre 2007 e 2010 (Foto: Farah Abdi Warsameh/AP)
Um jornalista somali vinculado aos insurgentes islamitas radicais shebab e condenado por ter organizado o assassinato de cinco de seus colegas entre 2007 e 2010 foi executado na madrugada desta segunda-feira (11) em Mogadíscio.
Vários repórteres acompanharam a execução do condenado, Hassan Hanafi, detido em agosto de 2014 em Nairóbi, a capital do Quênia, e extraditado à Somália no fim do mesmo ano.
“Havia confessado e se reconheceu culpado de ter organizado as mortes de vários jornalistas somalis (.

..

) Foi executado”, declarou um funcionário de alto escalão do tribunal militar que o julgou, Abdulahi Hussein.
No sábado, dois shebab haviam sido executados na capital somali depois de se declararem culpados de terem assassinado uma jornalista da televisão nacional no fim de 2015.

A Somália era um dos países mais perigosos do mundo para exercer o jornalismo: 45 repórteres foram assassinados desde 2007, quando os shebab tiveram acesso ao poder, segundo o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).
A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) situa a Somália no posto 172 de 180 países em sua classificação sobre a liberdade de imprensa.

Os shebab, que enfrentam o governo somali, realizam regularmente ataques contra autoridades governamentais e jornalistas, embora estes últimos também se convertam com frequência em alvo de empresários ou políticos, descontentes com a cobertura midiática de assuntos que os afetam.
.

Fonte: G1