Obama disse que seu pior erro foi não acompanhar Líbia após intervenção (Foto: Jim Young/Reuters)
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acredita que seu pior erro foi provavelmente a falta de acompanhamento após a intervenção militar na Líbia em 2011, que levou à queda do regime de Muammar Kadhafi.
Ao ser questionado em uma entrevista ao canal Fox News sobre seu “pior erro”, Obama respondeu: “Provavelmente não ter executado um plano para o ‘depois’, o dia seguinte do que foi, acredito, uma intervenção justificada na Líbia”.
O presidente reconheceu em diversas ocasiões que os Estados Unidos e seus aliados poderiam ter feito mais depois da intervenção na Líbia, na qual uma coalizão liderada por França e Reino Unido, e substituída depois pela Otan, realizou em 2011 ataques aéreos.

Obama se referiu em particular a esta questão na Assembleia Geral da ONU em setembro, reconhecendo que Washington também tinha uma parcela de responsabilidade.
“A Líbia está afundada no caos”, reconheceu em meados de março em uma entrevista publicada na revista The Atlantic.

Depois da queda de Kadhafi, o Estado líbio desabou, milícias rivais disputaram o poder e a organização Estado Islâmico (EI) aproveitou a situação para aumentar seu poderio.
“Quando me pergunto por que deu errado, me dou conta de que estava convencido de que os europeus, diante da proximidade da Líbia, estariam mais envolvidos no acompanhamento”, acrescentou, e lançou algumas indiretas aos seus aliados, como que o primeiro-ministro britânico, David Cameron, estava na época “distraído por outras coisas”.

Um processo frágil, com o apoio da ONU e das grandes potências, permitiu recentemente a criação de um governo de unidade na Líbia.
O primeiro-ministro designado deste governo, Fayez al Sarraj, conseguiu desde sua chegada a Trípoli, em 31 de março, importantes apoios, entre eles o do Banco Central e a companhia petrolífera.

Também obteve adesões significativas de autoridades não reconhecidas que controlavam a capital líbia desde agosto de 2014.
No entanto, o chefe do governo na sombra, Khalifa Ghweil, se negou a deixar seu cargo e pediu ao seu gabinete para que permaneça em seu posto.

.

Fonte: G1