Muçulmanos votam na eleição parlamentar em Damasco, nesta quarta-feira (13). Votações acontecem nos territórios controlados pelo governo de Bashar El-Assad (Foto: Louai Beshara / AFP)
Os locais de votação para as eleições legislativas organizadas pelo regime sírio e criticadas pela oposição abriram as portas nesta quarta-feira (13), ao mesmo tempo que o país enfrenta o aumento da violência após semanas de cessar-fogo.
Nas regiões sob controle do governo – um terço do território e 60% da população -, os centros de votação abriram às 7h (1h de Brasília) e devem fechar às 19h (13h de Brasília), exceto se a comissão eleitoral decidir prorrogar o prazo.

Esta é a segunda eleição desde o início da guerra em 2011 e 11.341 candidatos se inscreveram para a disputa das 250 cadeiras em jogo.

Ao fim do processo ficaram apenas 3.500 candidatos.

“Os outros se retiraram por considerarem que não tinham chance de vitória”, disse o presidente do Comitê Jurídico Supremo das Eleições, o juiz Hicham al-Shaar.
Os muros de Damasco estão cobertos com cartazes de candidatos, mas no teto de um dos maiores edifícios da cidade está uma propaganda do partido Baath, que governa o país há mais de 50 anos, com a frase “As eleições da resistência”.

A votação coincide com o início da segunda sessão de negociações indiretas entre o regime de Bashar al-Assad e a oposição, com a mediação da ONU em Genebra.
A consulta acontece no momento em que o país está a um passo de cair novamente em uma guerra complexa que opõe o regime, rebeldes moderados e islamitas, além dos grupos extremistas Estado Islâmico (EI) e Frente Al-Nosra, braço sírio da Al-Qaeda.

Estas eleições são “ilegítimas” para os opositores dentro e fora do país, assim como para os países ocidentais. Mas a Rússia, grande aliada do regime, considera que estão “de acordo com a atual Constituição síria”.

A ONU defende a celebração de eleições gerais em 2017.
O resultado deve ser parecido com o das eleições de maio de 2012, segundo analistas.

Pela primeira vez, vários partidos foram autorizados a participar, mas o Baath obteve a maioria dos 250 deputados eleitos para um mandato de quatro anos.
.

Fonte: G1