O número de mortos pelo potente terremoto de 7,8 graus que sacudiu no sábado (16) o Equador subiu para 525, informou a procuradoria.Equipes de resgate retiram nesta quarta-feira (20) corpo dos destroços provocados por tremor que atingiu o Equador. Nesta manhã um novo tremor atingiu a costa do país (Foto: Rodrigo Buendia / AFP)
Até a noite de terça-feira, a procuradoria registou apenas na província de Manabí (oeste), epicentro do terremoto, 525 mortos, onze deles estrangeiros.

No entanto, as autoridades em informes anteriores também informaram sobre mortos na província de Guayas (sudoeste).
O Equador foi sacudido novamente na madrugada desta quarta-feira por um forte tremor, que provocou alarme entre as pessoas que participam nos trabalhos de resgate.

O novo terremoto, de 6,1 graus segundo o Instituto de Estudos Geológicos dos Estados Unidos e 6,2 de acordo com o Instituto Geológico do Equador, foi prolongado, mas não foram constatados danos até o momento.
O epicentro foi localizado a uma profundidade de 15,7 quilômetros, a 25 km de Muisne e a 73 km de Propicia.

As autoridades não ativaram o alerta de tsunami.Novo tremorO novo terremoto, de 6,1 graus segundo o Instituto de Estudos Geológicos dos Estados Unidos e 6,2 de acordo com o Instituto Geológico do Equador, foi prolongado, mas não foram constatados danos até o momento.

O epicentro foi localizado a uma profundidade de 15,7 quilômetros, a 25 km de Muisne e a 73 km de Propicia. As autoridades não ativaram o alerta de tsunami.

Uma enorme rachadura é vista na estrada entre Pedernales e Jama, no Equador, após um terremoto na costa do Pacífico (Foto: Guillermo Granja/Reuters)Falta de água e comidaO abalo desta quarta-feira aumentou a angústia dos sobreviventes, que sofrem com a falta de água e mantimentos, além dos frequentes cortes de energia elétrica.
“Não temos água, nem alimentos.

As lojas estão fechadas ou vendem muito caro”, disse à AFP Andrés Mantuano, na cidade de Manta, província de Manabí, a mais afetada.
O péssimo estado das estradas na costa do Pacífico equatoriano, o temor de saques e a instabilidade dos edifícios levaram muitos comerciantes a fechar as portas.

A ausência de produtos básicos, sobretudo água e alimentos, começa a irritar a população em uma região que parece um cenário de guerra.
.

Fonte: G1