O Tribunal Constitucional de Níger validou nesta quarta-feira (30) os resultados das eleições presidenciais de 20 de março, que deram uma contundente vitória ao presidente Issoufou Mahamadou, reeleito com 92,94% dos votos.Tribunal do Níger validou vitória de Issofou Mahamadou em eleições (Foto: Gael Cogne/AP)
Mahamadou tomará posse em 2 de abril para um mandato de cinco anos, embora a oposição (agrupada na Coalizão pela Alternância, COPA) já anunciou que não reconhece os resultados e que considera que o mandato de Mahamadou expira na sexta, 1º de abril, o que gera dúvidas sobre que acontecerá no país a partir desse dia.
Por outro lado, o candidato Hama Amadou, adversário de Mahamadou no segundo turno, que obteve 7% de votos, obteve na terça-feira liberdade provisória por decisão do Tribunal de Apelação de Niamey.

A libertação de Amadou era reivindicada por toda a oposição para continuar a corrida eleitoral, e a recusa a soltá-lo foi o motivo para a COPA boicotar o segundo turno, fazendo com que Amadou tivesse tão poucos votos.
Amadou está hospitalizado em Paris, para onde foi levado com urgência há pouco mais de dez dias por seu estado de saúde deteriorado.

O conselheiro de Hama Amadou, Boubacar Amadou, disse hoje à Agência Efe que sua libertação é “uma não notícia, e por isso não foi recebida com entusiasmo pela população: o regime pensa que já não há risco porque as eleições terminaram e os resultados foram proclamados”.
A oposição argumenta desde o princípio que a detenção de Amadou é puramente política e que a razão oficial (tráfico de bebês desde a Nigéria) foi só um pretexto para retirá-lo da corrida política desde que foi preso, em 14 de novembro de 2015.

.

Fonte: G1