Aplicativo de transporte alternativo Uber (Foto: Divulgação/Uber)
O Uber Technologies concordou pagar US$ 25 milhões para encerrar um processo na Califórnia em que era acusada de enganar consumidores sobre o alcance da checagem dos antecedentes criminais de motoristas, anunciaram nesta quinta-feira (7) procuradores de Los Angeles e San Francisco.
A empresa deve pagar US$ 10 milhões em 60 dias. Os US$ 15 milhões restantes podem ser dispensados se o Uber adequar sua conduta aos termos do acordo nos próximos dois anos, afirmaram, em comunicado, os procuradores distritais de San Francisco e Los Angeles.

“Isso envia uma mensagem clara para todos os negócios, e startups em particular, de que, na busca de obter rapidamente participação de mercado, as leis feitas para proteger consumidores não podem ser desrespeitadas”, disse o procurador distrital de San Francisco George Gascón.
O Uber recebeu bem o acordo.

“Estamos felizes em deixar esse caso para trás e animados em redobrar nossos esforços atendendo passageiros e motoristas no Estado da Califórnia”, informou a empresa.
A ação foi apresentada em dezembro de 2014 pelos dois procuradores, que alegaram que o Uber enganou consumidores sobre a extensão das checagens de antecedentes de motoristas.

.

Fonte: G1