Fiéis rezam nesta sexta-feira (1º) na Grande Mesquita de Bruxelas, onde houve homenagem a uma das vítimas dos atentados de Bruxelas da semana passada (Foto: LAURIE DIEFFEMBACQ / BELGA / AFP)
Mais de 2.000 pessoas foram à Grande Mesquita de Bruxelas, nesta sexta-feira (1º), homenagear uma jovem mãe belgo-marroquina vítima dos atentados cometidos em 22 de março passado na capital belga, noticiou a imprensa local.
Loubna Lafquiri, uma jovem professora de Educação Física, tinha três filhos e vivia em Molenbeek.

A homenagem foi organizada no dia de reza desta emblemática mesquita, que fica no Parque do Cinquentenário a dois passos das instituições europeias.
O número de pessoas era tão grande que alguns fiéis tiveram de ficar do lado de fora, ouvindo a pregação e as últimas homenagens à Loubna Lafquiri sentados em seu tapete de oração.

“Estamos aqui como seres humanos, antes de tudo”, disse uma mulher de véu rosa, com a garganta embargada, à emissora de televisão RTL.
“Assim como para todas as vítimas de todas as confissões religiosas, são mães, irmãs, pais, irmãos”, completou.

Funeral de Loubna Lafquiri foi realizado nesta sexta (1º) na Grande Mesquista de Bruxelas (Foto: AP Photo/Geert Vanden Wijngaert)
“Isso poderia ter acontecido com qualquer um. É o aeroporto por onde todo o mundo passa, as estações de metrô que todo o mundo conhece”, ressaltou.

Loubna Lafquiri morreu no ataque suicida cometido na estação de metrô de Maelbeek. Os atentados de 22 de março, no metrô e no aeroporto de Bruxelas-Zaventem, deixaram 32 mortos e mais de 300 feridos.

“Por razões que nenhuma pessoa compreende, assassinos niilistas interromperam sua vida de uma maneira tão cruel quanto absurda”, disse um parente, diante dos fiéis reunidos.
O prefeito de Molenbeek, Françoise Schepmans, participou da cerimônia.

Ele elogiou “uma mulher moderna e plena, uma mãe de família que trabalhava”.
“Esses atentados atingiram todas as nacionalidades, culturas e origens”, lamentou.

.

Fonte: G1