Vários alagamentos foram registrados na cidade (Foto: Ricardo Fernandes de Freitas/Arquivo Pessoal)
Uma chuva forte atingiu várias regiões de Uberlândia nesta sexta-feira (25). Houve registro de ocorrência de alagamentos e quedas de árvores em vários bairros, principalmente nas regiões norte, sul e leste. Unidades de saúde também sofreram com a quantidade de água.

No período de 8h às 11h choveu 42,2 mm e os ventos chegaram a 52,9 km/h, segundo dados da Estação do Inmet, na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Há previsões de mais chuva para os próximos dias.

A Defesa Civil fez recomendações à população.
No Bairro Jardim Umuarama, o morador Roberto Carlos registrou um dos alagamentos no final da Avenida Alexandrino Garcia.

Ele contou que toda vez que chove a via vira praticamente um rio e a água concentra na porta do condomínio onde ele mora. O carro dele quase foi arrastado.

Na Avenida Rondon Pacheco, próximo ao Viaduto Carlos Saraiva, também foi registrado transtornos e os carros só conseguiam passar pelo local com dificuldades. O mesmo aconteceu no Bairro Santa Luzia, nas ruas próximas ao Parque Santa Luzia.

No Bairro Granada a Avenida Alípio Abraão também ficou coberta de água.Água contribuiu para o aumento da vazão da Lagoa do Parque do Sabiá (Foto: Leandro Moreira/G1)
O morador de um condomínio no Bairro São Jorge, Ricardo de Freitas, flagrou a situação na região.

Ele mora na Avenida dos Titos, esquina com a Rua Antônio Bernardes da Costa. O trecho ficou intransitável e a água invadiu até o canteiro central.

Ainda no Bairro, houve registro de que a água invadiu a recepção da Unidade de Atendimento Integrado (UAI). Já no Segismundo Pereira, a água chegou a invadir as obras do corredor de ônibus.

Além dos alagamentos,  na Avenida João Naves de Ávila a estrutura de um posto de gasolina cedeu e no Bairro Aurora parte da estrutura de uma casa desabou. Há também houve registros que no Parque do Sabiá, a quantidade de água que vem das ruas das proximidades, contribuiu para aumento da vazão na lagoa.

PrefeituraDe acordo com a Prefeitura, todos os principais pontos críticos de alagamento da cidade foram interditados até que a água baixasse. Equipes da Secretaria de Trânsito e Transportes (Settran) deram suporte e orientaram motoristas.

Um dos pontos foi no Lagoinha, onde o córrego transbordou. No bairro Morumbi, os ônibus foram desviados das ruas onde houve alagamentos.

Na UAI Martins, equipes da Empresa Municipal de Apoio e Manutenção (Emam) e do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) atenderam uma ocorrência de refluxo na rede pluvial. A água chegou a entrar na unidade, mas já no fim da manhã a situação foi resolvida e o atendimento voltou ao normal.

Na UAI Tibery, houve queda de energia da Cemig e está sendo providenciado um gerador até que o problema seja solucionado.
No Bairro São Jorge, equipes da Defesa Civil deram suporte às famílias que tiveram as casas destelhadas.

Estão sendo distribuídas lonas e mantimentos.Defesa CivilA Defesa Civil conversou com o G1 e confirmou que foi registrado na cidade quedas de árvores, pontos de alagamento, destelhamentos, dentre outras ocorrências.

Disse ainda que não tem informação de ninguém ferido por conta do temporal. Ainda não há balanço oficial da quantidade de ocorrências, pois as equipes, até o 12h de hoje, ainda está nas ruas fazendo atendimento.

De acordo o  coordenador, Dimas Alvim Gonçalves, a orientação é que em períodos de chuva forte a população evite as avenidas baixas (vias de fundo de vale), como é o caso das avenidas Rondon Pacheco, Minervina Cândida de Oliveira, Segismundo Pereira (Centro-Bairro), João Naves de Ávila (Bairro Santa Luzia), Anselmo Alves dos Santos e Getúlio Vargas (Centro-Bairro).
Gonçalves ainda fez um alerta aos motoristas.

“Não é recomendado deixar carros debaixo de árvores, pois estamos passando por uma frente fria e as chuvas podem ocorrer com mais incidência”, afirmou.ClimatologiaO climatologista Antônio Giacomini falou ao MGTV sobre a chuva forte deste sábado e citou exemplo do Bairro Cidade Jardim.

Naquela região, segundo ele, choveu 28 milímetros em 25 minutos, o que significa mais de um milímetro por minuto. Ele disse também que essa chuva se trata da entrada de uma frente fria típica do início do outono.

De acordo com o climatologista, neste mês de março, já choveu 200 milímetros, o que é bom para os reservatórios. Portanto, a situação de hoje deve seguir até domingo.

.

Fonte: G1