Banana Brasil Cauí lançou biscoitos sem glúten de sabores como beterraba e couve. ‘A gente sentiu uma lacuna no mercado’, diz Maria Alice Narloch (Foto: Karina Trevizan/G1)
Com o desemprego subindo e a inflação em alta corroendo o poder de compra das famílias, os supermercados fecharam 2015 com queda real no faturamento e não esperam um cenário diferente para 2016. Porém, mesmo em meio à crise, uma categoria se destaca na ponta positiva: os alimentos com apelo mais saudável.

Alimentação saudável é ‘a bola da vez’
79% dos consumidores disseram em 2015 ter trocado sua alimentação por comidas mais saudáveis
Entre os que compram produtos light, a maioria (62%) quer ter alimentação mais saudável, contra 55% que querem perder peso
Em 2015, a venda de açúcar caiu 6,4%, enquanto a de demerara aumentou 27%. Os pães industrializados caíram 3,5%, enquanto os integrais subiram 7%.

O leite UHT teve queda de 2%, e o de baixa lactose, alta de 78%Fonte: Kantar Worldpanel
Segundo pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (APAS), realizada em parceria com as empresas Nielsen e Kantar Worldpanel, a preocupação dos consumidores brasileiros com a saúde vem crescendo, motivando uma queda nas vendas de produtos como refrigerantes e margarinas, ao mesmo tempo que itens como água de coco e cream cheese cresceram (veja exemplos no quadro ao lado).Nesse cenário, muitas marcas têm investido forte em itens voltados para alimentação saudável, como alimentos com menos gordura, açúcar, sódio, com ingredientes orgânicos ou integrais.

A aposta do setor é que a demanda mais alta por esse tipo de produtos não seja passageira.“É um mercado crescente, não é moda.

As pessoas estão buscando cada vez mais esse tipo de produto porque sentem a diferença que faz na saúde, qualidade de vida”, diz Samuel Ma, diretor de marketing da NHD Foods.
A empresa, dona de duas marcas de produtos alimentícios voltadas a alimentação saudável, existe desde 2003.

Ma conta que o mercado vem crescendo, mas a concorrência também. “Lançamos por exemplo novas embalagens, para nos reinventarmos por causa do surgimento de mais competidores”.

Uma das marcas da NHD Foods é a Good Soy, com a proposta de oferecer guloseimas saudáveis. Entre os produtos sem glúten nem lactose estão snacks de bacon, queijo e outros sabores com sal light e sem gordura trans, além de cookies e brownies de chocolate feito com soja não transgênica.

A outra marca da empresa é a Believe, com as mesmas características, porém mais voltada ao público celíaco (pessoas com intolerância ao glúten).’É um mercado crescente, não é moda.

As pessoas estão buscando cada vez mais esse tipo de produto’, diz Samuel Ma, diretor de marketing da NHD Foods (Foto: Karina Trevizan/G1)
Maria Alice Narloch, da área de desenvolvimento de produtos da Banana Brasil Cauí, também afirma que a procura por alimentos saudáveis “não é uma onda passageira”. “Deixou de ser uma questão estética, as pessoas estão procurando uma dieta mais saudável mesmo”, afirma.

Entre os lançamentos da marca voltados para essa demanda crescente estão biscoitos sem glúten de sabores como beterraba e couve. “A gente sentiu uma lacuna no mercado”, diz Maria Alice.

A Mãe Terra também tem percebido demanda maior por esse tipo de produto nos últimos meses. A marca lançou por exemplo uma linha de cereais infantis com grãos integrais, orgânicos e com 30% menos açúcar que os concorrentes mais conhecidos, mirando no aumento desse tipo de preocupação entre os pais.

Mãe Terra lançou linha de produtos naturais em parceria com a apresentadora Bela Gil (Foto: Karina Trevizan/G1)
Na Feira e Congresso de Gestão Internacional APAS 2016, em São Paulo, a marca apresentou ainda uma linha de produtos lançada em parceria com a apresentadora Bela Gil, com produtos como tapioca sem glúten e mistura pronta para fazer pão de mandioquinha sem lactose, sugerida como alternativa mais saudável ao pão de queijo.Batata doce semi-pronta e chocolate sem açúcar, mas com wheyOutras marcas especializadas nesse segmento vêm lançando mais produtos de olho na demanda crescente.

“A gente vem analisando o comportamento desse mercado, que está em ascensão. Lançamos a linha orgânica no ano passado, por exemplo.

Nosso principal ponto é o produto natural e pronto para consumo”, diz Enrico Milani, diretor executivo da Vapza. A marca já tinha uma linha de refeições semi-prontas sem glúten, e lançou na feira da Apas uma batata doce em cubos.

De olho no aumento do consumo de batata doce, Vapza lançou versão semi-pronta do alimento (Foto: Karina Trevizan/G1)
Outra empresa que lançou produtos de olho no público que pratica exercícios físicos foi a Flormel, que tem creme de avelã e paçoca de amendoim sem adição de açúcar, mas com de whey (produto consumido frequentemente por quem faz atividades esportivas). A marca tem ainda guloseimas sem açúcar, corante e aromatizantes, como brigadeiro e doce de leite.

“A ideia é poder ser feliz, mas abrindo mão do açúcar. A gente usa um adoçante natural, a taumatina”, diz Tânia Veronez, gerente de marketing.

“O [mercado de produto] saudável não pode reclamar da crise, as pessoas estão tomando consciência da importância disso. Tem demanda, o consumidor está muito ávido.

”Flormel tem ´guloseimas saudáveis´, como brigadeiro e bombom sem açúcar, corante ou aromatizante, adoçado com taumatina. (Foto: Karina Trevizan/G1)Marcas maioresAlém das empresas com foco exclusivo nos produtos com apelo saudável, as grandes marcas também estão percebendo os novos hábitos entre os consumidores.

Na feira da Apas, A Coca-Cola FEMSA, por exemplo, apresentou a nova versão do refrigerante, com stevia (um tipo de adoçante de origem natural) e 50% menos açúcares. A bebida, de rótulo verde, já está presente em 25 países, e chega aos supermercados brasileiros nesta semana.

Coca-Cola lançou versão do refrigerante com stevia (um tipo de adoçante de origem natural) e 50% menos açúcares (Foto: Karina Trevizan/G1)
Já a Nestlé apresentou uma nova bebida da linha Nesfit, lançada em 2012. As novidades são dois sabores de um smoothie de arroz: uva com beterraba e gengibre e amora com maracujá, sem glúten nem lactose.

Outro lançamento da empresa é o Nescau sem lactose.
Em pesquisas de consumo, percebe-se a mudança de comportamento nos últimos anos”
Érica Migales, gerente de marca da Sadia
Já a Sadia, da BRF, apostou em presunto cozido com 30% menos sódio e sem capa de gordura, além do peito de frango com indicação de baixo teor de gordura no rótulo.

“A Sadia já vem buscando melhorar o perfil dos produtos de uma maneira geral, e sempre tem esse trabalho para deixar as tabelas mais adequadas às demandas do consumidor”, diz Érica Migales, gerente de marca da Sadia.“Em pesquisas de consumo, percebe-se a mudança de comportamento nos últimos anos”, explica.

Ela explica que outra ação da marca nesse sentido é “desmistificar os pratos prontos com relação ao mito sobre os conservantes”. “Nossa linha não tem conservantes, o que conserva é o congelamento.

Os ingredientes são naturais.”Nestlé lançou smoothie de arroz de uva, beterraba e gengibre, além do sabor amora e maracujá.

Empresa também apresentou o Nescau sem lactose (Foto: Karina Trevizan/G1)’Em pesquisas de consumo, percebe-se a mudança de comportamento nos últimos anos’, diz gerente de marca da Sadia, que lançou presunto com menos sódio e gordura (Foto: Karina Trevizan/G1)Mirando em pais mais preocupados com a alimentação dos filhos, Mãe Terra lançou cereais infantis com grãos integrais, orgânicos e com 30% menos açúcar. (Foto: Karina Trevizan/G1)Marca Belive, da NHD Foods, tem linha de salgadinhos sem lactose nem gluten (Foto: Karina Trevizan/G1)Entre os produtos voltados ao público que pratica atividade física está o reme de avelã e paçoca de amendoim sem adição de açúcar, mas com de whey, da Flormel (Foto: Karina Trevizan/G1)
.

Fonte: G1