Michel Temer diz no Twitter que Banco Central tem plena autonomia para definir a taxa de juros (Foto: Reprodução / Twitter)
Após o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmar que o presidente em exercício via com “bons olhos” uma eventual redução da taxa de juros por parte do Banco Central, Michel Temer publicou nesta quarta-feira (20), em sua página pessoal no microblog Twitter, uma declaração na qual afirma que a autoridade monetária tem “plena autonomia” para definir o percentual.
O Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por fixar a Taxa Selic, decidirá nesta quarta se mantém, reduz ou eleva a taxa, atualmente em 14,25% ao ano, a maior dos últimos dez anos. Esse será a primeira reunião do Copom presidida por Ilan Goldfajn, novo presidente do Banco Central.

Segundo a assessoria de Temer, a fala foi divulgada com o objetivo de evitar “especulações” no mercado sobre interferência do presidente em exercício em relação à taxa de juros. Segundo o G1 apurou, a declaração é uma tentativa de desautorizar o comentário do ministro da Casa Civil.

“O Banco Central tem plena autonomia para definir a taxa de juros. A política monetária tem como prioridade combater a inflação e este é o objetivo central do meu governo”, afirmou o presidente em exercício, na declaração divulgada pela Secretaria de Imprensa.

Minutos após a Secretaria de Imprensa da Presidência divulgar o comentário de Temer sobre a reunião do Copom e a definição sobre a taxa de juros, o presidente em exercício utilizou sua conta pessoal no microblog Twitter para publicar a mesma frase.
Padilha deu a declaração sobre a posição de Temer em torno da taxa de juros em uma entrevista concedida na manhã desta quarta no Palácio do Planalto.

Na ocasião, ele disse que, embora a palavra final sobre a taxa de juros seja do Banco Central, o presidente da República em exercício via “com bons olhos” uma eventual redução.
O ministro deu a declaração sobre a taxa de juros após ser questionado por jornalistas sobre se Temer havia pedido ao BC para reduzir a Selic.

“Se analisarmos todos os indicadores, vamos ver que os economistas do Brasil estão dizendo que forçosamente teremos queda nos juros. Isso agrada o presidente, e ele vê com bons olhos se nós pudermos [reduzir a taxa Selic].

Mas temos que respeitar a autonomia do BC. [.

..

] São economistas dizendo, agências de avaliação dizendo que o juro vai cair. O presidente vê com bons olhos [uma eventual redução], mas a palavra final é do BC”, declarou Padilha na entrevista.

.

Fonte: G1