O Brasil assinou um acordo com o México para reconhecer a cachaça e a tequila como produtos distintos dos dois países, respectivamente. O acordo foi assinado na segunda-feira (25) durante a visita do ministro das Relações Exteriores, José Serra, ao México.Exportações de cachaça não chegam a 1% do volume produzido, diz entidade (Foto: Reprodução/TV Rio Sul)
Segundo o Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), o México é o terceiro país a reconhecer a cachaça como um destilado exclusivo do Brasil.

Antes, apenas, Estados Unidos e a Colômbia reconheciam a bebida como genuinamente brasileira.
Já a Tequila é protegida como bebida mexicana em mais de 46 países, incluindo a União Européia, segundo a entidade.

As tratativas entre os dois países estavam em andamento há alguns anos, mas a partir de junho de 2014 o processo recebeu atenção do governo, a partir da renovação de um convênio firmado entre o Ibrac e o Conselho Regulador de Tequila (Crt).
Segundo o Ibrac, as exportações de cachaça não passam de 1% do volume produzido.

Em nota, o presidente do conselho deliberativo da entidade, Cristiano Lamêgo, diz esperar que as empresas aumentem seus investimentos no mercado mexicano e isso represente “um bom aumento” nas vendas de cachaça ao exterior.
Segundo Lâmego, o acordo também deve impedir o uso da denominação “cachaça” por produtores de outros países.

Em 2015, o México exportou mais de 180 milhões de litros para mais de 120 países, enquanto o Brasil exportou pouco mais de 7 milhões de litros do destilado para 61 países. Deste total, apenas 0,54% do total exportado foi para o México, de acordo com o Ibrac.

Cachaça (Foto: Jonathan Lins/G1) 
.

Fonte: G1