Montadoras poderão exportar ao Peru sem taxas restritivas (Foto: Divulgação)
Os governos do Peru e do Brasil assinaram na última sexta-feira (29) três instrumentos para aprofundar as relações comerciais e os investimentos em ambos os países. Um deles é a antecipação com efeito imediato do acordo de livre comércio de veículos leves e picapes, previsto inicialmente para 2019.
O Peru tem um mercado pequeno, de cerca de 160 mil unidades por ano, mas qualquer ajuda é bem vista pelas fabricantes brasileiras, que estão com capacidade ociosa, devido a queda brusca de vendas nos dois últimos anos.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, os veículos feitos no Brasil respondem atualmente por apenas 3% do mercado peruano. Com o livre comércio, este índice poderá subir, afirmou o governo.

O acordo bilateral também abriu as licitações do governo peruano às empresas brasileiras, sem exigência de depósito antecipado de 5% da capacidade de contratação. A abertura é válida inclusive para outros setores.

Segundo o Ministério de Comércio Exterior e Turismo do Peru, os novos acordos aprofundam a relação econômico-comercial entre os países, tornando-a semelhante a um tratado livre-comércio, informou a agência EFE.
“Em nível mundial, em 2015, o Brasil foi o quarto parceiro em troca comercial e o oitavo mercado de exportações, com vendas que ficaram em US$ 1,07 bilhão.

Além disso, foi o terceiro país fornecedor de mercadorias, com US$ 1,93 bilhão”, declarou a ministra do Comércio Exterior e Turismo do Peru, Magali Silva.
“Esse acordo procura promover os investimentos bilaterais, fortalecer e impulsionar o comércio de serviços e aproveitar as oportunidades que brindam as aquisições efetuadas pelos governos, propiciando uma maior participação das pequenas e médias empresas”, destacou Magali.

.

Fonte: G1